Polícia

Polícia faz operação em Colniza para coibir extração ilegal de madeira

Oito mandados de busca e apreensão devem ser cumpridos hoje, em Guariba e Guatá, em Colniza, na Operação Ouro Verde 2. O objetivo é desarticular quadrilhas de receptadores de madeira extraída ilegalmente. Seis serrarias implantadas dentro de fazendas foram alvo de investigação. Não há mandados de prisão expedidos, mas poderá ocorrer detenções se houver flagrantes.

O diretor da Polícia Civil, José Lindomar Costa, informou para a A Gazeta que as madeiras retiradas e receptadas em Colniza são comercializadas em Rondônia. Não há projetos de manejo autorizados pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). “A extração ilegal é a causa desses conflitos no município. A desarticulação dos receptadores deve enfraquecer o grupo” disse. Não há previsão para o término para o cumprimento dos mandados.

Na primeira operaçao Ouro Verde desencadeada em agosto deste ano, 39 pessoas foram presas, entre elas dois fazendeiros e cerca de 40 armas (pistolas, espingardas, revólveres e escopetas) e munição foram apreendidas. Duas pessoas continuam presas. Elas são processados por crimes de formação de quadrilha, tortura, assassinato, porte ilegal de arma de fogo e degradação de meio ambiente.

De acordo com a polícia, pelo menos 185 famílias foram vítimas das ações truculentas promovidas pelos grupos.