Polícia

Nortão: envolvidos em confusão que deixou policial ferido e 4 baleados começam a ser ouvidos

As oitivas das testemunhas, dos dois policiais militares e de quatro que foram baleados em um bar, na região central de Peixoto de Azevedo (197 quilômetros de Sinop), no último dia 4 deste mês, começaram esta semana. As informações foram confirmadas pelo responsável pela sindicância e comandante da Polícia Militar de Guarantã do Norte, major Benedito Martins de Carvalho Júnior, em entrevista, ao Só Notícias.

“Nas próximas duas semanas serão ouvidos os policiais que registraram o boletim de ocorrência, os dois soldados, os dois homens envolvidos na confusão e as duas pessoas que foram baleadas. Após isso, começaremos as primeiras diligências. Estamos nos dedicando ao caso desde o momento que fomos nomeados para presidir a sindicância”, ressaltou o major.

O comandante disse ainda que o prazo legal para concluir as investigações será de 40 dias. “Poderá ser prorrogado por mais 30 dias se for necessário encaminhar algum documento para requerer provas do caso. Tudo vai depende do decorrer das investigações. Poderá ou não demorar. Se ocorrer punições, serão as que estão previstas no código de conduta da polícia. Pode ser apenas uma advertência e até a expulsão da corporação. Neste caso específico, ainda é prematuro apontar qualquer situação”.

Conforme Só Notícias já informou, a abertura da sindicância administrativa foi determinada pelo comandante regional da Polícia Militar, coronel Gildazio Silva. Será apurada a conduta do soldado que registrou boletim de ocorrência apontando que dois homens, de 19 e 23 anos, tentaram roubar sua pistola calibre 380, em um bar, na região central de Peixoto. Os dois acusados e duas pessoas que estavam no local foram baleados e encaminhados ao hospital. Já o policial foi atingido por coronhadas na cabeça e também precisou de atendimento médico. Ele já recebeu alta e está de atestado médico. Já os demais feridos, não foi informado se já deixaram a unidade médica.

Conforme foi registrado por policiais da Força Tática no boletim de ocorrência, o soldado apresentou a versão que estava na conveniência com a esposa, um amigo e outro militar. Eles haviam marcado encontro no local para irem até uma confraternização. A confusão teria começado após dois rapazes se aproximarem do policial e um deles tentar atingi-lo com tapa no rosto. Ele teria conseguido desviar, mas foi surpreendido pelo segundo com uma ‘gravata’ no pescoço para tentar mobilizá-lo e retirar a sua arma. Com isso, ocorreu uma luta corporal entre eles e foram efetuados 4 disparos.

A mulher do policial tentou defendê-lo, mas o suspeito conseguiu retirar a arma da cintura do policial e tentou atirar contra eles, mas havia acabado as munições. Devido a isso, o homem começou a desferir coronhadas contra a cabeça do militar. O segundo policial, que estava todo tempo no banheiro, ao ver a situação conseguiu desvencilhar o suspeito da vítima. Após isso, os acusados tentaram fugir, mas acabaram presos. A arma também foi recuperada.

O caso também é investigado pela Polícia Civil. Só Notícias tentou contato com o delegado Israel Pirangi Santos, mas as ligações não foram atendidas.