Polícia

Delegado da PF é sequestrado e escapa de execução em Mato Grosso

O delegado da Polícia Federal Ramon Almeida da Silva escapou de ser executado na madrugada da última sexta-feira (28), em Várzea Grande. O policial federal foi torturado, agredido com uma coronhada de revólver na cabeça, e só escapou da morte porque conseguiu abrir o porta-malas do carro dele e pulou com o carro em movimentos, vindo a sofrer outros ferimentos. É polícia, vamos matar ele”, ordenava uma das meninas que acompanhavam os bandidos.

Tudo começou quando quatro assaltantes – três menores e um adulto -, e quatro garotas de programa, todas adolescentes, abordaram om delegado na Avenida da FEB. Lá teve início o assalto seguido de seqüestro por volta de 1h30 da madrugada.

Até então desconhecido, o veículo Corolla, parou no semáforo próximo à Ponte Júlio Muller, ao lado da Rua Alameda, quando o motorista foi surpreendido pela quadrilha: quatro assaltantes e quatro meninas de programas que fazem ponto na FEB.

A vítima era nada mais nada menos, do que o delegado da Polícia Federal Ramon de Almeida, ue voltava do Aeroporto para a casa dele, em Cuiabá. O delegado foi colocado dentro do porta-malas de seu próprio veículo e foi levado como refém.

Depois de ser espancado, humilhado e torturado, o delegado foi colocado novamente dentro do porta-malas e levado para ser executado. “Uma das meninas falava, vamos matar ele. Ele é policialo federal”, confirmou agora a pouco o tenente Handson

Antes de ser executado, no entanto, o delegado Ramon pulou do carro em movimento. O Corolla dele foi abandonado sem o Toca-CDs e com um tiro no teto nos fundos no bairro Joaquim Curvo, localizado nos fundos da Univag, em Várzea. Os bandidos também roubaram o celular do delegado.

Policiais do 4° Batalhão de Polícia Militar de Polícia, em Várzea Grande comandados pelo tenente Handson de Freitas, prederam cinco assaltantes e as quatro meninas envolvidas no sequestro seguiddod e roubo. Dos cinco bandidos, apenas um deles foi reconhecidom pelo delegado Ramon.

Trata-se do assaltante Anderson Aparecido Cardoso, o “Tô Magro”, de 18 anos, terá a prisão preventiva representada ainda hoje pelo delegado Vladimir Fransosi, titular da Delegacia de Repressão a Roubos ne Furtos (DRRF), daquela cidade.
As quatro meninas são “Lu”, de 15 anos, Ninha, 16, Pa, 15, e “Arinha”, 15. Todsas são garotas de programas e fqazem ponto na Avenida da FEB, muitas vezes até mesmo durante o dia.

Depois da prisão de “Tô Magro”, apolícia agora está atrás dos outros três, todos já identificados: “Boneco”, Fábinho e Fernando, que tem como reduto de criminalidade os bairos da Manga, Construmat e Alameda, em Várzea Grande, e no bairro do Porto, em Cuiabá.

A Polícia também já sabe, que os assaltantes estavam com armas alugadas. O dono das armas, o assaltantre “Chunde”, está preso na Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DRRFVA), em Cuiabá. “Chunde” tem como reduto criminal o bairro da Manga.