Polícia

Criminosos usam nome de policial militar para aplicar golpes do envelope vazio em Mato Grosso

Golpistas estão usando nome de um policial militar lotado na 12º Companhia de Barra do Bugres (175 quilômetros de Cuiabá) para aplicar o golpe do “envelope vazio”. Desde setembro, várias pessoas registraram boletins de ocorrências sobre a prática criminosa de estelionato. Todas as ocorrências referem-se à venda de produtos pela internet.

A última ocorrência aconteceu ontem à noite quando usaram o nome do militar para comprar um mega-hair. Após constatação do golpe, a vítima relatou o caso em uma rede social para servir de alerta para outras pessoas.

O soldado Paulo Eduardo do Espírito Santo Santos, que está na corporação há mais de 9 anos, revela que os golpistas usam a imagem da identidade funcional dele para a prática dos delitos.

“Já estou sabendo deste último golpe. Não sei dizer como tudo começou. Não costumo usar minha identificação no dia-a-dia. Já avisei da situação ao comandante para que providências sejam tomadas no campo de apuração interna, para comprovar minha inocência e estou adotando medidas legais na esfera criminal”, destacou por meio da assessoria.

Ainda segundo o soldado, foram adquiridos em seu nome, aparelho celular, freezer, barco e uma máquina de sorvete. Todos os golpes foram aplicados em Cuiabá e Várzea Grande e houve algumas tentativas em outros municípios do Estado.

Diante dos fatos, o policial ressalta a importância de práticas preventivas para as vendas na rede. “Quem comercializa na internet precisa marcar um ponto de encontro em lugar público, esperar o crédito na conta e pesquisar sobre o nome do anunciante. Só assim será possível evitar prejuízos”, ressaltou.