quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Um grande filme para uma gigantesca trilogia

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Um grande filme para terminar uma grande trilogia. Esta foi a sensação ao assistir Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge. O diretor Christopher Nolan fez um trabalho excepcional. A cada filme, ele nos presenteou com uma qualidade técnica impressionante e uma história incrível. A qualidade é crescente e o desfecho sensacional. Uma história contada sem atropelos, cenas de ação bem orquestradas e atuações memoráveis. A cena final, sem igual e de uma surpresa de fazer cair o queixo. Nunca teria imaginado aquilo.

Outro ponto alto foram as interpretações. Christian Bale (Batman) foi o melhor ator a interpretar o personagem. Está melhor do que no primeiro e muito melhor do que no segundo. Ele se recuperou da sombra de Heath Ledger (o Coringa, do Batman – O Cavaleiro das Trevas). Anne Hathaway como a Mulher Gato está linda e muito bem nas cenas de ação. Até dá para esquecer a famosa "lambida" de Michelle Pfeiffer em sua interpretação da mesma personagem em Batman Returns (1992). Gary Oldman (comissário Gordon) sem palavras, Michael Caine (Alfred), Marion Cotillard (Miranda Tate) e Joseph Gordon-Levitt (John Blake) todos muito bons.

Se neste filme não teve Heath Ledger e nem uma menção a ele, o vilão ficou por conta de Tom Hardy. E o cara como Bane não desaponta em nenhum momento. Nolan poderia ter ido pelo caminho mais fácil como utilizar efeitos especiais para deixar Bane como realmente é nas histórias em quadrinhos. Lá, ele é grande e fica maior ainda ao inalar uma espécie de veneno. No filme, Nolan mudou um pouco o personagem e deu um tom diferente para ele. Ou seja, é o Bane de Nolan e não das HQs. A interpretação de Hardy não chega a ser de um Ledger, mas o cara demonstra segurança e convicção em sua atuação. Os próprios músculos do ator são aproveitados e como ele está o filme todo com uma máscara na cara, sua maior interpretação está no olhar. É perceptível, no filme todo, a sua grande atuação pela reação de seus olhares. Na luta contra o Batman, quase derrotado, sua expressão de medo e pavor é extremamente real. Pode não ter sido um Ledger, mas foi um Hardy/Bane extremamente convincente e vigoroso. Sensacional.

Nolan termina o filme com uma "deixa" interessante para uma continuação sem precisar novamente contar toda a história que já sabemos. Agora será necessário um diretor tão bom e tão grandioso, como Nolan foi, para dar sequência em uma história tão rica como a deste ícone chamado Batman. Espero que uma nova grande sequência venha.

Valeu Nolan. Você resgatou e deu uma amplitude magnífica a história de um personagem fabuloso. Coisa que nem Tim Burton com seus dois filmes – Batman (1989) e Batman Returns – dos quais sou fã também, conseguiu fazer. E foi além, ao conseguir resgatar, pois houve os filmes-equívocos do péssimo diretor Joel Schumacher – Batman Eternamente (1995) e Batman e Robin (1997). Dois filmes que praticamente jogaram o personagem no limbo. Duas péssimas interpretações do "morcego" e que quase o sepultaram. Era preferível assistir, antes fosse, o seriado do Batman com o amável Adam West. Era ruim, mas era muito bom.

Mas veio Nolan, Bale, Oldman e tantos outros que dignificaram esta grandiosa história. Valeu o ingresso e vai valer a compra do DVD, com certeza.

Alex Fama é jornalista e editor de Só Notícias
[email protected]

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...