quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Tendências do Coaching

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O coaching vem sendo amplamente difundido e utilizado como uma importante ferramenta de desenvolvimento de líderes, de equipes e, consequentemente, das empresas. Ele não substitui a necessidade dos treinamentos e ações de desenvolvimento. Os estudos do ICF – Federação Internacional de Coaching – mostram que quando as pessoas desenvolvem o processo de coaching após participarem de um curso, potencializam o aprendizado e a colocação em prática do conteúdo abordado. Mas, para esse resultado acontecer, o processo de coaching deve ser conduzido por um profissional capacitado e formado por uma instituição reconhecida e certificada.

O que as empresas têm adotado ultimamente é a formação de coaches dentro do seu próprio quadro de funcionários, para que eles mesmos conduzam os processos de coaching dentro da empresa. Essa ideia foi amplamente divulgada no CONARH e no COMAGEP, ambos de 2012. Esse formato apresenta vantagens, mas exige atenção a algumas questões.

Em minha primeira formação em coaching foi apresentada a importância do profissional de coaching ser alguém externo à empresa, ou que ocupasse uma função de coach dentro da mesma. Uma amiga minha, também coach e diretora de RH de uma grande instituição em Cuiabá, compartilhou comigo essa preocupação: "Como é que eu, diretora de RH, vou conduzir o processo de coaching com um gerente meu? Não entendo como ele poderá se abrir comigo…" Esse formato me acompanhou durante um bom tempo. Mas agora, o questionamento: será que é possível?

Algumas empresas vêm dizendo que sim, é possível! Entendo essa possibilidade quando o coachee (quem passa pelo processo) não faz parte da equipe de trabalho do coach (quem conduz o processo). E vai exigir tanto do coachee quanto do coach muita maturidade, uma vez que são expostos sonhos, valores, obstáculos e dificuldades, bem como forças e hábitos pessoais. E essas informações, utilizadas de maneira inadequada, podem trazer prejuízos pessoais e profissionais. A relação de confiança e sigilo deve ser muito forte.

É claro que os gestores de equipes podem, e devem, desenvolver habilidades de um coach para conduzir conversas produtivas e de resultado. Para isso, não é necessário ter a formação em coach. Você deve procurar um bom curso de liderança e coaching ofertado por várias instituições.

Mas, se a dúvida persistir entre formar um profissional internamente na empresa ou não, o ideal é buscar um profissional devidamente certificado e com experiência, que possa atender a demanda da sua empresa e de seus colaboradores, com seriedade e comprometimento. Pesquise, entreviste os profissionais. Procure identificar o profissional ideal para lhe atender.

Depois, é só colher os resultados! Sucesso!

Ana Galo – psicóloga, especialista em Gestão de Pessoas em Cuiabá

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...