sexta-feira, 23/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Tarifa do transporte: até quando esse roubo ?

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Desde 28 de dezembro, os usuários do transporte público de Cuiabá estão sendo obrigados a pagar uma tarifa de 2,95 centavos. Esse foi o presente de despedida do então prefeito Chico Galindo.Mais uma vez tal aumento acontece na calada da noite, pegando a população cuiabana de surpresa.

Os problemas no transporte público de Cuiabá e Várzea Grande são antigos, pois não é de hoje que os trabalhadores têm que utilizar um transporte de má qualidade, sem ar condicionado, superlotados e com uma tarifa caríssima. Entra governo, sai governo e parece que o compromisso dos prefeitos eleitos é atender aos interesses dos empresários, ao invés da população.

O atual prefeito Mauro Mendes tem a chance de fazer diferente dos seus antecessores, embora o seu silêncio frente ao atual aumento da tarifa nos leve a crer que suas atitudes sobre tal problemática não serão tão diferentes dos demais. Mais uma vez a população terá que recorrer às mobilizações para terem seus direitos respeitados e não acabarem literalmente tendo que pagar o "pato".

Dessa forma a iniciativa de mais de 40 entidades, no dia 3 de janeiro, em lançar uma frente pela revogação do aumento da tarifa e um conjunto de ações para concretizar esse objetivo é de suma importância, pois são iniciativas como essa que podem forçar as autoridades a fazerem alguma coisa a favor da população. Foi assim em 2005, em que a Câmara Municipal de Cuiabá, pressionada com a mobilização popular organizada pelo CLTP (Comitê de Luta pelo Transporte Público) foi obrigada a abrir a CPI do transporte, a qual possibilitou a população a ter o mínimo de noção de quanto estava sendo roubada.

O relatório final da CPI apresentado em Dezembro de 2005 demonstrou que o valor da tarifa que era 1,60 naquele ano estava superfaturada e que o valor correto deveria ser de 0,81 centavos. Tal relatório apontava ainda que os empresários do transporte deviam à prefeitura 109 milhões de reais, somente com multas de contratos de concessão que não vinham sendo cumpridos. Apontava ainda uma divida de 29 milhões de reais com taxas de outorga e outros impostos que não foram pagos.

A "balela" contada hoje pelos empresários do transporte para justificar o aumento da tarifa com gastos em pneus, combustível e renovação de frota foi amplamente desmascarada pela CPI que demonstrou divergência nos números apresentados pelos empresários dos transportes e a Secretária Municipal de Transporte. Uma dessas divergências se refere ao preço dos pneus onde em 2003 as empresas apontavam um custo de R$ 851,00 na planilha e compraram o produto a R$ 730,00 reais, sendo assim, uma redução de 16,57% no custo. Já no preço do óleo diesel a diferença paga pelas empresas e o que foi apresentado na planilha foi 29% menor, apontavam os documentos apresentados pela CPI de 2005. Outro dado informado de maneira equivocada pelos empresários foi que o número de passageiros. Onde eles informavam que havia 4,6 milhões de passageiro ao mês, na realidade existia 5,9 milhões de passageiros, o que reduz ainda mais a tarifa.

Mesmo tendo esse arsenal de informações, as autoridades competentes nada fizeram para que a sangria aos cofres públicos fosse parada. Hoje encontramos na mesma ou até pior situação de 2005.

Até quando as autoridades fecharam os olhos pra esse roubo? Essa é uma pergunta que fica sem resposta. Porém o atual prefeito, que acabou de assumir e diz não "querer decepcionar a população cuiabana", tem o dever de remexer o que foi "varrido para debaixo do tapete" e desde já revogar o aumento da tarifa de ônibus. Isso é o que espera a população. Caso contrário, senhor Mauro Mendes e demais "representantes" do povo como os vereadores de Cuiabá, podem ter a certeza que durante todo o ano serão visitados com as tão importantes manifestações populares.

Eduardo Anicésio de Matos é servidor público, militante da Intersindical e atuou no CLTP de 2005 a 2009.

 

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...