quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Redes Sociais no trabalho

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Um tema que tem originado dúvidas e controvérsias que carece totalmente de regulamentação legal é sobre as possíveis implicações do acesso às redes sociais durante o período da jornada de trabalho. O ideal é que no âmbito da própria empresa haja a regulamentação da matéria, ou ainda que haja negociação coletiva por parte das categorias envolvidas.

Se o uso for feito a partir de estações de trabalho da empregadora, é claro que a mesma pode bloquear o acesso dos sites que considera prejudiciais à produção, e isto inclui as redes sociais, ou ao decoro, como as páginas de conteúdo erótico, etc. Mas quando se tem em mente que a maioria das pessoas já dispõe de celulares, tablets e outros dispositivos pessoais capazes de acessar estas redes, se torna mais difícil estabelecer os limites do que é razoável ser tolerado.

Parecem ser novos problemas, mas na verdade, esta impressão não é inteiramente precisa. Situações que distraem o trabalhador e prejudicam a produtividade existem há tempos, provavelmente desde o início das civilizações. Podemos citar, mais modernamente, o uso do telefone da empresa para receber e fazer ligações particulares, que depois descambou de vez com a popularização do celular e, ainda, o acesso à Internet em geral.

Direto ao ponto, não me parece que alguns poucos comentários por dia, feitos a partir de um dispositivo particular, possam dar margem a qualquer repreensão patronal, entretanto quando fica claro que o uso é contínuo e ostensivo a ponto de prejudicar a qualidade e eficiência do serviço. Nessa condição, pode ser o caso de advertência e até mesmo dispensa por justa causa, com base no disposto no art. 482, e, da Consolidação das Leis do Trabalho, que trata da desídia no desempenho das respectivas funções.

É que o ato desidioso se caracteriza pelo desleixo, pela falta de zelo e este parece ser exatamente o caso de quem se esquece de suas obrigações e se entrega de corpo e alma ao lazer e ociosidade que as redes sociais propiciam. Há momento para tudo, não é mesmo?!

Por fim, a solução parece estar no velho provérbio que propala que canja de galinha e bom senso não fazem mal a ninguém.

Eduardo Moreira Lustosa – advogado em Cuiabá

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...