quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

"Homopudica, Padrezia, Evangelicação, Polititica, Mentirição":

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Aonde chegamos? Será a terceirização do mal?

A banalização das ações políticas é, com certeza, um péssimo exemplo para a população e o pior legado que se poderia deixar para a juventude desse País.

Tipos fleumáticos, tidos como sérios, adotaram subterfúgios para conquistar o poder construindo nas entranhas partidárias a mais sórdida e difamatória campanha política. Corroborada com muxoxos por togados ansiosos pelo novo poder.

Nesse segundo turno, quando deveríamos ver o aprofundamento dos debates sobre questões cruciais para o desenvolvimento de qualquer país, como segurança, educação, saúde, infraestrutura etc., o que tivemos até agora foi uma guerra apócrifa na internet e nas ruas das cidades brasileiras. São ataques e agressões que ultrapassam o limiar do bom senso e chegam à insanidade crua e nua.

É a prática do quanto pior melhor! E a sociedade que se acabrunhe sob o vociferar de esbulhos e mentiras. Das matracas e maledicências que criam "bicho-papão" que come criancinhas e extermina as mais profundas e sinceras crenças do povo brasileiro.

Conforme as necessidades, brincam com Deus, com católicos, evangélicos e fiéis de qualquer credo. Distorcem dados, jogam com a falta de memória e ingenuidade. Usam e abusam do poder econômico para formar ou deformar a opinião pública. Tudo isso, claro, acontece com grande apoio da imprensa, quase sempre servil e em busca de mais um "pote de ouro".

Como será o próximo pleito eleitoral? Sofreremos um retrocesso histórico e seremos invadidos pelas práticas da inquisição ou dos ‘camisas negras" de Benito Mussolini? Adotaremos as práticas nazistas ou, talvez, as abomináveis ações da Ku Klux Klan? Qual é o limite?

Valerá a pena termos um líder no poder sob esta "estrutura ética"? Um líder que ao final de uma disputa tão sórdida e rasteira terá, provavelmente, vendido o que lhe é mais caro: sua integridade moral. Até onde vale a máxima de Nicolau Maquiavel de que "os fins justificam todos os meios"?

Ainda há tempo para deixar de lado estas questões insignificantes e debater um verdadeiro projeto para o país. Um país que nos últimos oito anos encontrou sua vocação para o desenvolvimento que não beneficia apenas alguns escolhidos, mas contempla todas as classes sociais, em todas as regiões. Um país onde a sociedade entendeu que precisa incluir segmentos que ficaram décadas à margem dos benefícios do crescimento e que agora têm direito ao consumo e a usufruir das vantagens da sociedade moderna. Um país que surpreende o mundo com o vigor de sua economia e o valor da solidariedade. Um país que saberá, com certeza, perseverar no caminho certo.

Luiz Antonio Pagot é diretor geral do DNIT

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...