terça-feira, 27/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

No Brasil os partidos são descartados facilmente

Wilson Carlos Soares Fuáh – É Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas em Mato Grosso - [email protected]
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Fica a grande dúvida, de quem é a vaga conquistada durante a eleição: é do Partido ou é do Candidato eleito?

Vejam que até os políticos não sabem qual a sua ideologia propriamente dita, pois só após eleger-se, é que descobre que está em partido errado, e por isso criaram a “janela” para sair, e assim, o Partido fica sem o cargo conquistado na eleição e o Candidato eleito vai embora com o cargo embaixo dos braços, desfazendo do reconhecimento da estrutura e dos recursos do partido que lhe ajudou a eleger-se.  

E usando essa tal “janela”, o sentido da ideologia partidária está sendo jogado no lixo da história política do país, e aquele velho conceito que os políticos antigos e os velhos filiados tinham no coração o seu partido, pois a  escolha de um partido era pelo entendimento que aquele partido seria o “seu”, pelo conjunto de ideias ou reunião de pessoas com o mesmo pensamento que se agrupam legalmente para congregar através das ações políticas, econômicas e sociais.

Para que um regime democrático possa funcionar, necessariamente tem que existir: o voto, que é exercido pelos eleitores, mesmo que seja em forma de escolha obrigatória e os partidos políticos que congregam as mesmas opiniões e as ideias dos seus filiados num mesmo partido.   

Nos termos do Art. 17 da Carta Magna, é livre a criação, incorporação, fusão, e extinção de partidos políticos e não há como disputar um cargo eleitoral, se o candidato não for filiado a um partido.  No Brasil, existem muitos partidos para  poucos líderes e  ideologias em excesso, o que se vê, são ferros velhos de partidos, carcaças partidárias e destroços ideológicos espalhados pelo Brasil afora.          

 Hoje os políticos estão misturados por falta de não saber qual é a sua ideologia,  são  lideres com desejos individuais e próprios ou impróprios, e ao  sentir a falta de espaço e a incapacidade de congregar com as pessoas com ideias conflitantes ao seu crescimento individual ou suas reeleições, criam novos partidos,  que reúnem os “descontentes” e os “contrariados” girando em torno desse novo partido que ele  podem chamar de “só meu”.    

São tantas ideologias para ser exercitadas  por poucos líderes, e com a esperteza e gosto pela permanência no poder, faz como que nasçam vários partidos a cada ano, não pela necessidade de diversificar os diferenciais conflitantes no plano das ideias sobre  política, sistema econômico e divergência de  classes em busca de um sistema social possível, mas sim pelo espaço nas próximas eleições.             

A história recente registra, estruturas partidárias dominadas por aproveitadores, que de forma legal oferecem as siglas  como “barriga de aluguel”  e ao mercadão do caixa 2, que financiou a  venda de horário político, em nome do retorno futuro. 

Os princípios partidários que vislumbram os  objetivos comuns e coletivos, na verdade ficam apenas inscritos nas letras mortas dos velhos estatutos partidários que estão esquecidos nos fundos dos empoeirados armários partidários.         

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...