quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Lixo e saúde

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define saúde não apenas como a ausência de doença, mas como a situação de perfeito bem-estar físico, mental e social, isto significa que saúde está diretamente relacionada com todos os fatores que determinam e afetam a qualidade de vida das pessoas, tanto nos aspectos individuais quanto coletivos.

No Brasil, como de resto em vários países, a saúde está vinculada a diversas políticas públicas afetas a diferentes áreas de atuação do Estado. Cabe a este tanto um conjunto de ações que devem ser realizadas pelos entes públicos (União, Estados, Distrito Federal e municípios) quanto o estabelecimento de normas e procedimentos para as ações das entidades privadas que se dedicam a promover a saúde individual ou coletiva.

A saúde, neste contexto , faz parte das ações da chamada área social ou psico-social, onde estão incluidas o sanemanento básico, a educação, a moradia, o trabalho, a segurança pública e a seguridade social. Esses e outros setores decorrem e afetam diretamente a estrutura de classes de nossa sociedade e o perfil da mesma em termos de apropriação da renda, da riqueza produzida coletivamente , da propriedade e também da qualidade de vida na sociedade.

Assim, falar em saúde sem considerer, por exemplo, a questão do saneamento básico (acesso `a água encanada e de boa qualidade, da coleta do lixo, do esgotamento sanitário, da limpeza pública) é uma forma de escamotear a questão em seus aspectos fundamentais.

Apesar do Brasil já estar sendo considerado o sexto PIB do mundo, nossos índices de qualidade de vida ainda são muito precários e estão próximos ou até mesmo piores do que em diversos países do chamado terceiro mundo.

De acordo com um dos estudos mais atualizados, O Panorama dos Resíduos Sólidos (RSU), elaborado e divulgado em 2011,relativo `a situação do setor em 2009, pela Associação Brasileira de Empresas Públicas e Resíduos Especiais (ABRELPE), documento com mais de 200 páginas, "a produção e destinação do lixo sofreram um retrocesso em 2010".

De acordo com este estudo, em 2010 no Brasil foram produzidos 61 milhões de toneladas de resíduos sólidos, um crescimento de 6,8% em relação a 2009, seis vezes mais do que o crescimento populacional urbano no mesmo periodo . Desse total, 23 milhões de toneladas foram encaminhadas para aterros sanitários nao regulados e aos lixões, provocando sérios danos `a saúde da população e contibuindo para a degradação ambiental, afetando negativamente o abastecimento de água, o solo e sub-solo e o ar.

Estima-se que nas grandes cidades em torno de 20% do lixo produzido não são coletados pelo sistema regular de coleta e este percentual pode chegar a 50% nas cidades com menos de 50 mil habitantes. Esta parcela do lixo produzido é jogada na rua, em terrenos baldios, nos córregos ou queimada nos próprios quintais afetando a qualidade do ar e as condições de vida da população, acarretando sérios problemas de saúde pública, incluindo a transmissão de doenças e o repugnante convívio de pessoas com animais como ratos, urubus e outros mais.Basta visitor um lixão para ver esta triste realidade.

A região Sudeste é a que apresenta os melhores índices de coleta e tratamento de lixo e outros resíduos sólidos (71,7%) e a pior é o Centro-Oeste (29%), as demais regiões tiveram o seguinte desempenho: Nordeste (34%), Norte (35%) e Sul 69,7%. Comparados com os índices dos países desenvolvidos a situação brasileira é vergonhosa. Em países europeus, asiáticos e da América do Norte, participantes da OECD, esses índices se aproximam de 95%, ou seja, lixo é tratado como uma prioridade em relação `a saúde e `a qualidade de vida.

A produção, coleta e tratamento do lixo no Brasil representou um negócio na ordem de 19,2 bilhões de reais em 2010, mas quando a análise é aprofundada percebe-se que ainda existe um grande descaso por parte dos poderes públicos que pouco investem nesta area. O valor per capita mês gasto com coleta e tratamento de lixo no Brasil em 2010 foi de 3,71 reais ou seja, dez centavos per capita/dia.

Estudos apontam que para cada real investido em medidas preventivas (incluindo saneamento básico-lixo, esgotamento sanitário e água) pelo menos três reais deixariam de ser gastos com medicina curativa. Resumindo, prevenção é muito mais barato do que tratamento para doenças que poderiam ser evitadas. Mas parece que este tema não empolga nossos governantes, tamanho é o descaso que ainda continua a vigorar nesta área. Voltaremos ao tema oportunamente!

Juacy da Silva, professor universitário, fundador, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, ex-Ouvidor Geral de Cuiabá, colaborador de Só Notícias.
justicaesolidariedade.zip.net
[email protected]

 

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...