quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Janeiro Roxo: Hanseníase tem cura!

Dra. Natasha Slhessarenko é pediatra e patologista, representa Mato Grosso no CFM, é docente da UFMT, diretora Médica de Análises Clínicas do Laboratório Alta (desde 2018)
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Janeiro Roxo é uma campanha nacional criada com o objetivo de chamar a atenção da população sobre sintomas, prevenção e tratamento da hanseníase. A doença pode causar incapacidades físicas, principalmente nas mãos e nos pés. Apesar de ser uma doença milenar, descrita na Bíblia, o número de casos ainda é bastante elevado. O Brasil ocupa a 2ª posição no mundo em maior número de casos, ficando atrás somente da Índia. De janeiro a novembro de 2023, o Brasil diagnosticou ao menos 19.219 novos casos de hanseníase. O resultado é 5% superior ao total de notificações no mesmo período de 2022.

Segundo informações do Painel de Monitoramento de Indicadores da Hanseníase, do Ministério da Saúde, o estado de Mato Grosso segue liderando o ranking das unidades federativas com as maiores taxas da doença. Até o fim de novembro, o total de 3.927 novos casos no estado já superava em 76% as 2.229 ocorrências do mesmo período de 2022. Considerando apenas os menores de 15 anos, em 2023 foram notificados 97 casos de hanseníase em MT. É uma doença que acomete populações com menor acesso aos serviços de saúde, baixo nível de saneamento, escolaridade e renda, as chamadas populações negligenciadas.

A Hanseníase é uma doença infecciosa causada por uma bactéria, Mycobacterium leprae, também chamada de bacilo de Hansen. 

Transmissão

A transmissão se faz através de secreções da nasofaringe e gotículas de saliva eliminadas pela fala, tosse ou espirro, da mesma forma que se transmite o resfriado. Não se transmite a Hanseníase por beijo no rosto, abraço ou compartilhamento de objetos.Apenas uma pequena parcela da população infectada realmente adoece, muitos indivíduos não transmitem a doença, pois têm um sistema imune que destrói a bactéria. O período de incubação, ou seja, tempo em que os sinais e sintomas se manifestam desde a infecção, é, em média, de 3 a 7 anos, podendo chegar até 20 anos.

 
A doença pode acometer ambos os sexos e qualquer idade.Não mata, mas pode deixar sequelas incapacitantes.

Manifestações Clínicas

A Hanseníase se apresenta como manchas e nódulos na pele e acometimento dos nervos periféricos. As manchas podem ser esbranquiçadas ou avermelhadas. Algumas vezes, pode-se observar placas, que são manchas elevadas. As manchas têm alterações na sensibilidade ao calor, ao frio e à dor. Os nódulos ou caroços podem estar presentes, em algumas formas de Hanseníase e em alguns casos são avermelhados e dolorosos. Pode apresentar inchaço no rosto, nas orelhas e sensação de nariz entupido.

 
O comprometimento dos nervos periféricos se apresentam com sensação de formigamento, dormência, fisgadas, engrossamento (espessamento) ou diminuição ou ausência de sensibilidade, especialmente nas mãos e nos pés.

 
Como existe o acometimento do nervo periférico, o paciente não sente uma pedrinha no sapato, não sente ao pegar uma panela quente, isso leva a ferimentos em suas atividades diárias. Estes ferimentos podem evoluir com infecções bacterianas secundárias que podem atingir o osso e levar a perdas de partes do corpo.

É o acometimento dos nervos periféricos que levam a sequelas que tanto estigmatizam a doença. 

Diagnóstico

O diagnóstico é essencialmente clínico, através de uma anamnese detalhada e exame físico constando exame dermatoneurológico que consiste na avaliação das manchas com alterações de sensibilidade térmica, tátil e dolorosa, além da pesquisa de espessamento neural. Complementarmente pode ser feita a baciloscopia que verifica a presença de bacilos na linfa coletada dos lóbulos das orelhas, cotovelos, joelhos e em alguns casos, a baciloscopia pode ser coletada da própria mancha. 

Tratamento

No SUS, o tratamento farmacológico da hanseníase é feito com antibióticos, a poliquimioterapia. Parte do tratamento é feito no Posto de Saúde, são as chamadas doses supervisionadas mensais. Além destas, o paciente toma antibióticos em casa diariamente também.

 
O esquema terapêutico deve ser usado por um período que pode durar de 6 a 12 meses. A duração do tratamento varia conforme a forma clínica da doença, pacientes com a forma paucibacilar, a duração é de 6 meses e nos pacientes com a forma multibacilar, a duração é de 12 meses. É importante que o paciente faça o tratamento completo pois a cura só é obtida com o tratamento feito até o fim. 

Quanto aos cuidados em casa, não é necessário isolar o paciente nem separar talheres ou mudar de quarto pois após a primeira dose supervisionada a chance de contágio cai drasticamente. 
Todos os contactantes domiciliares devem ser encaminhados para o Posto de Saúde para serem examinados. Os que estiverem doentes serão encaminhados para tratamento e os que não estiverem serão encaminhados para tomar uma dose da vacina BCG, que protege parcialmente de formas graves da hanseníase. 

O Ministério da Saúde alerta que quanto mais precoce se diagnosticar a hanseníase, mais cedo a pessoa será tratada, e assim se evitará sequelas.

 
O tratamento impede a transmissão da doença, o paciente não é mais contagiante mas o dano no nervo é irreversível, por isto, o diagnóstico e o tratamento devem ser feitos o mais precocemente possível. 
Mas mesmo com sequelas, não quer dizer que o paciente vá sofrer para sempre com a incapacidade, a atuação de uma equipe multiprofissional pode ajudar a minimizar os danos. 

A doença tem cura e o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente o diagnóstico e o tratamento nas Unidades de Saúde da Atenção Primária e, em alguns casos, o paciente pode ser encaminhado para os Serviços de Referência. 

Não se descuide. Em caso de suspeita, procure a unidade de saúde mais próxima de sua casa. Hanseníase tem cura!

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...