quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Governador, pé no freio!

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O governador Blairo Maggi desistiu da ideia de desistir da política. Ele e seus correligionários republicanos se mostram desnorteados com a saída do empresário Mauro Mendes do PR. A ida do ex-candidato a prefeitura de Cuiabá para o Partido Socialista Brasileiro (PSB) pegou a classe política de surpresa e mudou o cenário das eleições de 2010. Até a antecipada campanha do vice-governador Silval Barbosa, ao Palácio Paiaguás, ficou abalada.

Nos últimos dias, veio à tona a nova decisão da não desistência do governador no processo político. A euforia foi total na cúpula republicana, pois os mesmos sentiam-se fora das decisões eleitorais de 2010, depois da perda para o PSB. Nesse novo desenhar do quadro eleitoral, os republicanos imaginam que seja a tábua de salvação do maior partido do estado – quando o assunto é prefeitos e vereadores eleitos nas eleições de 2008 – a candidatura do Blairo ao senado. Mas, tem muito cacique incentivando o governador a sair candidato, mas na hora de pedir votos faltam os índios.

O arco de apoio e alianças que formam em torno do governador são de velhos adversários e aliados pouco confiáveis. O PT sempre esteve do lado oposto do atual governo, seja em 2002 com Alexandre César, ou 2006 com a senadora Serys Marly, ambos disputando candidatura ao governo. O PMDB foi adversário em 2002, com o deputado federal Carlos Bezerra disputando o senado na chapa de Antero de Barros do PSDB. Bezerra, por sua vez, tem dito em entrevistas recentes que o governador é autoritário e centralizador. Permanece distante do Paiaguás ainda vários aliados de 2006, como o PDT, PV, PTB, PMN e por último o PSB com a filiação do Mauro Mendes.

Os antigos parceiros do governador Blairo provavelmente estarão em palanques opostos ano que vem. O DEM, do senador Jaime Campos, caminha para uma aliança com o PSDB, pois se sente excluído do atual governo em detrimento do PT que foi adversário. O PP, dos deputados Pedro Henry e José Riva e de outras lideranças, que formou uma forte chapa proporcional para 2010 sentem-se fora da composição majoritária da base governista para o próximo pleito, devido a preferência da vaga de disputa ao senado ao partido dos trabalhadores. O PPS, de Percival Muniz, se aproxima do PSB na expectativa de viabilizar Mauro candidato ao governo, abrindo espaço para ser vice.

O PT encolheu eleitoralmente em Cuiabá, reduziu sua bancada de três vereadores em 2004, para apenas um em 2008, reelegendo Lúdio Cabral. O PMDB cuiabano passa por uma grave crise, tem suas duas maiores lideranças, os vereadores Lutero Ponce e Domingos Sávio enfrentando processos de cassação de seus mandatos, e por último o prefeito de Rondonópolis Zé do Pátio declarando apoio ao Wilson Santos. Por isso, esta composição PMDB, PT e PR ainda é frágil para eleger Blairo senador. Os iluminados republicanos precisam entender que Maggi nunca disputou uma eleição no partido, foi eleito duas vezes governador pelo PPS.

Coloque o pé no freio governador!

Valdinei Barbosa é administrador de empresas/UFMT, analista político e secretário de Relações Institucionais do PDT/MT.     [email protected]

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...