quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Feliz ano novo, mas feliz de verdade

Fellipe Corrêa é vereador por Cuiabá
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Que em 2024 nós tenhamos pressa. Não no trânsito e nem no sexo, mas no mundo inteiro que há dentro de cada um de nós, e nas pontes entre o nosso eu e os de quem amamos ou com quem convivemos. Pressa de mudar, crescer, aprender; de abandonar aqueles hábitos, ah, que réveillon após réveillon prometemos a nós mesmos que iriamos deixar, e também de criar os hábitos que já decidimos que iríamos adquirir. Pressa de demonstrar sentimentos bons; de perdoar, de pedir perdão e virar páginas que pesam a vida – a nossa, e a dos outros. Pressa em vencer os medos, a insegurança e a procrastinação, para tirar do papel sonhos e projetos, e fazer a vida acontecer.

Cartola cantou que a vida é um moinho. A pressa do cotidiano – massacrante porém necessário – rouba nossa atenção do que é importante: estamos sempre cuidando do urgente, até que outro ano termina e a lista de prioridades continua lá, só na lista. Não depende das circunstâncias, por mais que facilitem, mas de como está dentro de nós, de perceber e resolver os conflitos conosco mesmos e com o mundo, os problemas que todos temos e não enxergamos, ocultos pela nossa mente como mecanismo de defesa: autoengano. Por isso, dos aparentemente mais fracassados aos supostamente bem-sucedidos, tá todo mundo adoecendo em silêncio enquanto posta selfie.

Experiência pessoal: Jesus resolve, mas terapia acelera – infelizmente, ainda há preconceito com esta e o Poder Público não oferece; deveria. Sem saúde mental não há felicidade, e a tendência é roubarmos a alegria de quem está ao nosso redor, também matando seu leão por dia lá fora e por dentro. A vida que captamos pelos nossos sentidos é compreendida a partir do que há na mente, e se ela está em sofrimento, a busca pelo sucesso é compensação compulsiva, como beber litros de água sem jamais se saciar. Que em 2024 tenhamos pressa em matar a sede pra viver em paz, plenos, eliminando grilos e descarregando bagagens desnecessárias; pressa em amar e se amar.

A velocidade do Século XXI pede pressa por saúde mental.

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...