segunda-feira, 26/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Dilma e os negócios

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Todo mundo está cansado de saber da pouca boa vontade dos dirigentes políticos do Partido dos Trabalhadores em relação ao capital. Ainda conservam o ranço dos conflitos capital trabalho do pós-fordismo do começo do século 20 e agora se mal-enjambrado numa leitura atravessada do neoliberalismo. Só que agora o campo do conflito não é mais o chão de fábrica e nem o capital, mas uma disputa burra entre o governo e a economia brasileiras.

Encastelado no governo, com todo os sistemas públicos aparelhados, o Partido dos Trabalhadores enxerga o Estado como a sua catapulta e a economia como um incômodo que se precisa desnutrir ao longo do tempo. Basta olhar as perdas de infraestrutura que o país vem sofrendo nos últimos 12 anos. A logística empobreceu, dificultou a economia, os serviços sociais como a saúde, a educação, a segurança e o bem-estar social descem de morro abaixo. As contas públicas são tratadas dentro da lógica de uma estranha “contabilidade criativa”.

A presidente Dilma Rousseff vem a Mato Grosso assistir ao fenômeno de uma montanha de grãos produzidos apesar das dificuldades tributárias, de logística e de uma burocracia paralisante do Estado brasileiro. Finge emocionar-se com tudo isso que lhe é tão estranho fora do discurso retórico de “um Brasil grande”. Chegar a Lucas do Rio Verde de helicóptero é moleza. Difícil é enfrentar 2.400 km de rodovias esburacadas, da burocracia em cada posto policial, de um mês de permanência num porto controlado por sindicalistas aparelhados do PT e do governo, esperando pra descarregar. E um navio esperar 45 dias na fila pra carregar.

Há, diria o leitor. Ela lançou a legendária ferrovia FICO e enumerou as vantagens do frete ferroviário. Mas ela própria já fez isso antes e o ex-presidente Lula também. A ferrovia está lá, perdida nos papeis e na tentativa de superar a burocracia ambiental do governo, e ao mesmo tempo de se construir um projeto minimamente factível. No ano passado, na abertura do Circuito da Soja, em Cuiabá, na mesa redonda de discussões veio à tona a informação de que a Casa Civil da presidência da República considera que o agronegócio está ganhando muito dinheiro e por isso, que se vire com a logística. Se a contabilidade do governo fosse realista, se saberia quanto dessa produção representa dentro do magro superávit das exportações brasileiras e a importância de uma logística aceitável.

A presidente veio a Mato Grosso fazer discurso político. Aí cabe uma única pergunta: a quem interessa o seu repetido discurso, e quem quer ouvi-lo?

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...