sexta-feira, 23/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Desindustrialização brasileira

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Costuma-se dizer que nem  “só pão e circo” vive um país, numa demonstração de que para haver desenvolvimento são necessárias outras condições como governantes capazes e honestos, definição de políticas públicas de longo prazo e respectivas estratégicas, continuidade e maior aritculaçãao das ações de governo e participação mais ativa dos setores empresariais, substituindo a mentalidade paternalista por um espírito mais empreendedor.

Tendo esses  aspectos como referenciais analíticos, podemos refletirr de forma mais racional sobre  a crise pela qual está passando o setor industrial brasileiro, popularmente denominada de desindustrialização, considerada esta como a queda na participação do setor industrial na geração do PIB quando comparada com a participação da agricultura (setor primário) e os serviços.

Outra forma de analisar a desindustrialização é comparando os índices de crescimento dos três setores referidos e também  o percentual e crescimento da mão-de-obra, do valor e volume de cada setor no comércio exterior (importações e expotações).

Conforme dados  do DIEESE e artigo do Blog de Luís Nassif no início deste mes e diversos outros estudos e reportagens, o desempenho do setor industrial brasileiro vem caindo há várias décadas, desde que atingiu seu ápice em 1985, com 27,2% na formação do PIB. Em 2011 a participação da indústria na formação do PIB foi de apenas 14,6%, a menor desde 1956 , quando iniciou a aceleração da industrialização brasileira, durante o governo JK, quando foi de13,8%.

Entre 1985 e 2011, refletindo este processo, houve queda na oferta de empregos de 28%, enquato os demais setores, principalmente o de serviços e a agricultura foram responsável pela criação de milhoões de novos empregos.

De forma semelhante, a participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, caiu de 55% para 39,4%, conforrme dados do Ministério do Desenvolvimento e comércio exterior em 2012. Confirmando esses dados e esta tendência, a Revista The Economist desta semana demonstra que o crescimento do setor industrial brasileiro , que já era negative,  tende a agravar-se.  Em meados de janeiro os dados divulgados referents a 2011 eram de queda (ou ténicamente chamado de crescimento negativo) de – 2,5% e no final de março último foi de  menos 3,4%.

Enquanto isto, os últimos dados mundiais indicam diversos países tendo crescimento do PIB bem  mais elevado do que o Brasil e em relação ao crescimento do setor industrial o Brasil está em pior situaçao do que praticamente todos os seus concorrentes no cotexto do comércio internacional, como por exemplo: EUA 4,0%; China 11,4%; Rússia 6,4%;India 6,8%; Argentina 2,8%; Indonésia 3,3%;México 4,2%.

Além dos aspectos mencionados no início deste artigo, os estudiosos e organismos mais diretamente envolvidos com o setor industrial, além de órgãos do próprio governo federal, apontam como pricipais causas da desindusrialização e do enfraquecimento da inústria nacional, outras causas as seguintes: a) elevada carga tributária; b) deficiência crônica da infra-estrutura; c) avanço crescente e modernização dos setores de serviços e agricultura; d) aumento das importações em geral e de produtos industriais em particular; e) questão cambial; f) baixa qualificação da mão-de-obra e baixa produtividade da mesma; g) falta de inovação e baixos investimentos em ciência e tecnologia, tanto por parte do Governo quanto do empresariado.

Resumindo, de pouco adianta medidas meramente conjunturais, espasmódicas e pontuais tomadas há várias décadas pelos governantes de plantão,  agindo apenas em resposta ao lobby setorial, ora favorecendo um setor ora prejudicando outro, gerando incertezas e insegurança quanto ao futuro do setor industrial e do processo de desenvovimento nacional. Pacotes como os estabelecidos pelos governo Lula e agora Dilma não trazem efeito positivo de longo prazo. É como desvestir um santo para vestir outro.

Na verdade o Brasil continua sendo um país que se moderniza mas não gera conhecimento e produtos verdadeiramente nacionias como ocorreu com a Coréia do Sul, do Japão, da India, da Rússia e mais recentemente da China. Continuamos sendo um grande usuário/importador de produtos acabados, com alto valor agregado e um exportador de produtos primários in natura ou apenas semi-processados. Este continua sendo o grande desafio do desenvolvimento nacional!

Juacy da Silva professor universitário, fundador,titular eaposentado UFMT, mestre em  sociologia.
www.professorjuacy.zip.net
[email protected]
Twitter @profjuacy

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...