sexta-feira, 23/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Ciclovias salvam vidas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Seja em grupo ou individualmente, cada vez é mais comum ver ciclistas circulando pelas ruas de Cuiabá e Várzea Grande. Além das pessoas que utilizam a bicicleta como meio de transporte, muitos a utilizam como forma de lazer e prática de um esporte saudável e de baixo impacto. Pedalar é um hábito saudável e tão prazeroso que nem o calor de nossa capital espanta os ciclistas. Mas a vida de quem opta pela bicicleta não é nada fácil. Os ciclistas sofrem com a falta de espaço e o desrespeito dos motoristas. Cuiabá é uma das capitais mais carentes em ciclovias e infraestrutura para os ciclistas. Os poucos quilômetros de ciclofaixa e ciclovia que temos estão abandonados, sujos, esburacados ou são utilizadas como estacionamento de veículos automotores.

Com as obras para a Copa do Mundo de 2014, Cuiabá e Várzea Grande terão alguns quilômetros a mais de ciclovias. Mas está longe de ser a solução. São poucos quilômetros, em pontos isolados e não se integram. As ciclovias do Porto e do Parque do Barbado serão curtas e apenas para lazer. A ciclovia do Moinho só será útil se for revitalizado o trecho antigo. A ciclovia da Emanoel Pinheiro e a ciclofaixa da Estrada da Guarita serão úteis para os moradores dos bairros e comunidades próximas, porém, como as demais, carecem de continuidade.

Perdemos a oportunidade de estruturar Cuiabá com boas vias para os ciclistas. Avenidas como a Miguel Sutil, Beira Rio, Fernando Correa e Rubens de Mendonça, deveriam ser contempladas. Nestas avenidas o fluxo de veículos é intenso e pedalar é muito perigoso.

As ciclovias criam espaços seguros, mantêm os veículos automotores longe das bicicletas e sensibilizam todos os condutores para que eles compartilhem o espaço com outros componentes o trânsito, em especial as bicicletas. É nas ciclovias que os ciclistas devem transitar e não dividindo espaço com carros, caminhões e ônibus. Ciclovias salvam vidas!

Estamos na Semana Nacional do Trânsito e as cidades promovem nestes dias ações de conscientização sobre um trânsito seguro para todos. Experimente pedalar – uma forma alternativa de mobilidade – e descubra que é possível se locomover sem o automóvel. Mostre para você mesmo que um outro trânsito é possível.

Sílvio Furtado de Mendonça Filho – bacharel em Ciências Econômicas e pós-graduado em Gestão Pública

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...