Opinião

Bons anos

Mais um ano se vai, e a esperança e o medo se misturam, pois nada e o tudo são formados de experiências de coisa nenhum a diante do futuro.

Nas fases evolutivas da nossa vida, passamos constantemente por seguidas paradas  para reflexões, são momentos onde todos os nossos objetivos  são questionados e perdem o seu significado e importância, frente à existência tão fugitiva da realidade e da fantasias que não se realizaram.
Nesta oportunidade, percebemos a grandiosidade da energia maior que nos cerca e  alimenta,   e, que a tudo sinaliza para  mudança de caminhada e estabelecimento de metas  que promovam  a nossa evolução espiritual e o esplendor do ser, que, na  essência  é divina.

Assim, é importante que aprendamos a nos desvencilhar das vaidades passageiras, bem como do culto ao “eu”  que acrescenta muito pouco à nossa existência, mas o ano termina e os “bons anos” virão, e que essas profecias anuais, podem confirmar depois dos 365 dias vindouros, por isso acreditamos e vivemos dessas crenças, pois como nós e entre nós, existem seres predestinados e que creditam em dias melhores.
Mas, o importante é seguir com o nosso sentido de “experienciar” a chama contagiante do amor que  nos envolve e nos faz melhores a cada dia que se acaba após as 24 horas, mas que renasce a cada amanhecer e que se entende por uma eternidade individualizada e segue em forma sequencial da existência.

Neste momento de parada festiva, “por enquanto”, vivemos de reflexões, e dessa forma, bom seria que no final de cada dia, ou mesmo de cada ano, abríssemos  momentaneamente o  coração para sentir a alegria das boas ações recebidas e compartilhadas.

Wilson Carlos Soares Fuáh – Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.
[email protected]

Wilson Carlos Soares Fuáh