terça-feira, 5/março/2024
PUBLICIDADE

Boas Festas e cuidado com o Pacu!

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Conta a lenda que, no século passado, vivia embaixo da Ponte Júlio Müller no bairro do Porto – ponte sobre o rio Cuiabá e que foi a primeira a interligar a capital à Várzea Grande – um andarilho que atendia pelo apelido de Pacu.

Negrão forte e encorpado que tinha por costume transitar pelo Porto cuiabano conduzindo um carrinho de mão, daqueles de construção, e que, nas horas em que a famosa Feira do Porto funcionava, ganhava a vida como carregador de compras para os feirantes e seus clientes.

O bairro do Porto, tradicionalmente, ostentava e ainda ostenta a fama de bairro boêmio, onde os notívagos seguiam e ainda seguem de bar em bar tomando suas biritas até cair.

E era esse o momento que aguardava ansiosamente o Pacu. Com seu carrinho, mais que depressa, recolhia o incauto e o levava para uma noite inesquecível sob a ponte, onde, protegidos pelo Sarã cuiabano (árvore nativa da barranca do rio), fazia da noite enluarada o seu altar para as núpcias com o descuidado amante embriagado.

É, essa fama o Pacu levou com ele, e deve ter deixado saudades em muitos bebuns que passaram por ali.

Hoje, quando se fala em tomar umas no Porto, o cuiabano mesmo pensa duas vezes. E acho até, que o Pacu contribuiu para a diminuição da bebedeira lá por aquelas bandas, principalmente, entre àqueles menos afeiçoados a luais sob pontes.

Mas estou contando essa estória engraçada para lembrar-nos de duas outras histórias relacionadas, e nada engraças.

A primeira, é o estado de abandono que se encontra o secular bairro do Porto em Cuiabá e que poderia receber das autoridades mato-grossenses mais respeito, como fizeram as autoridades maranhenses com a Praia Grande em São Luís com o Projeto Reviver, que revitalizou uma área, antes entregue aos marginais (como agora está o nosso bairro do Porto), transformando-a em ponto turístico dos mais visitados e verdadeiro orgulho dos ludovicenses. E olha que compete com belezas como os Lençóis Maranhenses, dentre muitas outras daquele estado.

A segunda, é a recorrente embriagues resultante das festas de final de ano, e que tantas tragédias têm trazido para as famílias brasileiras, que perdem seus entes queridos em decorrência dessa que é considerada a grande vilã dos proto-socorros do país: a bebida, mal bebida.

Quero chamar a atenção para esse mal, que não tem distinguido classes sociais, pois nas classes menos favorecidas a bebida provoca brigas, e, em decorrência delas, muitas mortes são registradas, e, nas demais classes, além das brigas, não menos frequentes, a mistura explosiva de bebida com direção, que tantas vidas vêm ceifando nas nossas ruas e estradas.

Antes, tivéssemos um Pacu em cada palácio, aguardando a queda das autoridades nas farras com dinheiro público, dinheiro que falta para saúde, educação e obras prioritárias como as do bairro do Porto, e, outros Pacus mais, em cada esquina, aguardando esses que teimam em exagerar na bebida.

O diabo é que, no caso dos políticos, muitos até gostarão da idéia.

Feliz Natal, um próspero Ano Novo e cuidado com o Pacu.

Adamastor Martins de Oliveira
cidadão de Mato Grosso
[email protected]

 

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Já nascemos prontos

Ao nascermos, seja em casas humildes ou alto-padrões, sempre...

Endometriose: A importância do diagnóstico precoce

O Março Amarelo começou! É o mês mundial de...

O Indizível

Quando menino, a mãe pedia para eu ir ao...