sexta-feira, 1/março/2024
PUBLICIDADE

Blairo Maggi ausente da copa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A política é uma atividade danada de ingrata, às vezes. Ela eleva e oscila com a mesma velocidade que o vento balança as folhas das árvores.

A Copa do Mundo em Cuiabá foi um envolvimento e gestão pessoal do então governador Blairo Maggi, em 2009. Ele esteve na Suíça junto com o então presidente Lula e criou a tese da Copa do Pantanal, uma forma de conciliar o ecossistema com a economia estadual.

Blairo Maggi dizia que o mundo precisava conhecer a terra que produz grande parte dos alimentos que eles consomem.

De outro lado, o Pantanal seria uma atração quase mística para os turistas.

Criou a Agência Estadual de Execução dos Projetos da Copa, a Agecopa, como uma autarquia responsável pela implantação das obras necessárias e também aquelas a que se chamou de matriz de responsabilidade.

Em outubro de 2011, já no governo Silval Barbosa, a Agecopa foi substituída pela Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo – Secopa, com as mesmas finalidades, mas sujeita a toda a sorte de entraves que estão sujeitos os órgãos da administração pública direta.

Finalmente, depois de toda a novela amplamente conhecida da população de Cuiabá e de Várzea Grande, as principais obras devolveram o trânsito à relativa normalidade e, principalmente Cuiabá, teve grandes ganhos que se refletirão no seu futuro.

A cidade que vinha muito congestionada ganha um grande fôlego para o futuro.

Dito isso, finalmente a Copa do Mundo chegou a Cuiabá debaixo de enormes expectativas quando aos desgastes em relação a obras urbanas inacabadas, ao aeroporto inacabado, o VLT em obras, etc.

Prevaleceu o espírito festeiro e hospitaleiro de Cuiabá. Os jogos não causaram constrangimentos e nem os turistas reclamaram de viadutos inacabados e nem do aeroporto funcionando parcialmente. Foram quatro jogos com público e festas acima do esperado.

Nesse ambiente, não se viu a figura do ex-governador Blairo Maggi, exceto, discretamente, no último jogo. Atingido pelos estilhaços da Operação Ararath, Blairo recolheu-se em silêncio e a política se encarregou de ignorá-lo Para um político este talvez seja o mais cruel de todos os algozes: a invisibilidade.

Acompanhei de perto alguns ex-governadores vítimas desse abandono temporário ou permanente: os ex-governadores José Garcia Neto, Júlio Campos, Carlos Bezerra e Dante de Oliveira.

O primeiro e o último, convivi de perto com o seu exílio de corpo presente. Imagino que Blairo Maggi mereça, com todo o direito, o reconhecimento do seu esforço pela Copa do Mundo em Cuiabá.

As questões políticas são outro departamento. Mas como disse no início, a política é ingrata mesmo!

A História é quem costuma fazer justiça ainda que às vezes tardia!

Onofre Ribeiro – jornalista em Mato Grosso, ex-secretário estadual de Comunicação

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Endometriose: A importância do diagnóstico precoce

O Março Amarelo começou! É o mês mundial de...

O Indizível

Quando menino, a mãe pedia para eu ir ao...

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...