sábado, 20/abril/2024
PUBLICIDADE

As estratégias políticas

Wilson Carlos Fuáh – economista, especialista em recursos humanos e relações sociais e políticas em Mato Grosso
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Durante as convenções  fica constatado que as ideologias são muito similares, pois os partidos viraram apenas meras roupagens para os políticos usarem de acordo com as necessidades momentâneas e interesses pessoais.

Depois das convenções vem o freio de acomodação, aquele que era mister virou estorvo, e as notícias se sucedem na velocidade instantânea dos Sites, e mesmo assim, não conseguem acompanhar  nos últimos dias sobre os (des) acertos no quadro político-partidário, especialmente no que se refere às coligações de determinados candidatos para este pleito de  2024, sobretudo para Prefeito. Aquele  que tinha potencial, mas foi preterido, agora pode transformar num grande adversário, e em algum caso inimigo e sabotador do vencedor da convenção.

O mundo político é muito transitório, as verdades se envelhecem a cada amanhecer e as mentiras nascem como erva daninha e perpetuam de acordo com as infinitas explicações que chegam ao povo através das “coletivas”. Será que os trabalhadores acompanham e entendem o que se passa na cabeça dos políticos, e nas entranhas dos partidos?

Aqueles ditos formadores de opinião, por necessidade de produzir textos diariamente, viram meros palpiteiros travestidos de colunistas, tentando explicar essa complicadíssima seara do mundo político dominado por interesses pessoais, mais do que ações de cunho político/social. Trata-se de eleger aquele que terá as chaves do cofre e o poder da caneta, que  na verdade é um mundo onde envolvem milhões de recursos públicos, (antes e depois), submetidos a acordos de interesses de seguimentos poderosos e de grupos endinheirados, e ao fim das eleições aquela máxima, que dizia  que o governo municipal existe para o cidadão, passa muito longe disso tudo, durante a eleição o eleitor é um ser especial e depois da posse, vira um ser de Segunda Categoria.  

Vai começar o grande espetáculo político, explosão de vaidades e emoções dos debates são palpitantes e onde a melhor defesa é o ataque, sim ataques pessoais, fatos da história da vida do candidato até então escondidos, são divulgados em forma de vídeos e fotos antigas, mas comprometedoras, e que podem virar escândalos de campanha, promovendo estragos e que são facilmente verificadas no “sobe e desce” das pesquisas e finalmente entra em ação os Doutos da Legislação Eleitoral, a palavra de ordem passa a ser:

1 – vamos recorrer;

2 – vamos impugnar;

3 –  amanhã sai a liminar;

4 –  ganhou, mas não levará pois está sub judice”.

Durante a campanha tudo é muito imediato, o “Núcleo Duro dos Coordenadores” tem que ser muito ágio, e as decisões tem que ser todas de imediato por que em política não existe lógica eterna, e sim, o princípio de pragmatismo, e o que importa é a coerência rumo à vitória.  Antigamente água e óleo não se misturavam, mas visando acomodar os interesses individuais, é necessário  que sejam expurgados os estranhos do ninho, pois eles  estão no epicentro do furacão, por isso, e o panorama político é cheio de incoerências, recheado de artistas e mágicos do impossível.

E, o grande líder, Vossa Excelência  o candidato virou apenas um detalhe, nas mãos dos marqueteiros e vivendo sob a ditadura do poder das decisões do “Núcleo Duro dos Coordenadores”, passa a ser o “aventureiro preparado para ganhar”.

E os eleitores?

Eles só serão lembrados até os cinco dia da eleição, (se não houver 2º turno),  depois ficarão por  quatro longos anos vivendo como maridos enganados, pois serão os grandes traídos no grande teatro político em nome da festa democrática.

As eleições produzem um universo de banco de dados, e depois das eleições, os especialistas ficarão tentando entender e explicar porque existem tantas pessoas não querendo votar; porque existem tantas anulações  de votos e os votos em brancos viraram a grande  forma de protesto pela repugnância eleitoral, essa é a verdade da democracia, que é o direito de manifestação cívica e que ao final vence a vontade da maioria.

Mas infelizmente, o quadro político e as relações políticas estão cada vez se autodestruindo pelos atos não republicanos, e por isso, a decisão por um candidato, leva aos eleitores a desenvolver o poder da escolha em forma de exclusão e não pela escolha do melhor candidato, por que o panorama da campanha que se apresenta, infelizmente já faz parte do contexto político do país e só através do voto é que podemos mudar tudo que abominamos e não concordamos. 

         

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Da Constitucionalização do porte e uso de drogas

O Senado Federal aprovou em segundo e último turno...

G20: Manejo Florestal um caminho para mitigar as mudanças climáticas

Compartilho algumas reflexões sobre um tema de extrema relevância...

A medula da Constituição

Estamos precisando ler a Constituição com a mesma frequência...

Habitat diferentes para o bem comum

Não restam dúvidas de que a convivência pacífica entre...