domingo, 25/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

A prática do combate aéreo nos incêndios florestais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os incêndios florestais provocam grandes prejuízos, tanto humanos (perda de vidas) quanto ambientais (danos na fauna e na flora), tendo também consequências econômicas consideráveis: destruição de "habitat", prejuízos florestais, custos para combater o fogo. Entre outros métodos de combate aos incêndios florestais, os aviões e helicópteros têm se mostrado bastante eficientes e podem ser usados para lançar água ou de retardantes químicos sobre o fogo.

O fogo é um dos agentes que provoca os maiores danos às florestas de todo o mundo. Florestas naturais, plantações florestais e outros tipos de vegetação estão constantemente expostos à ocorrência de incêndios de diferentes intensidades. Em muitos países a situação tem se agravado devido ao aumento da população, acúmulo de material combustível e incêndios de causas humanas.

As queimadas florestais estão intimamente relacionadas com as condições meteorológicas. Dependendo dos índices pluviométricos, o número de incêndios pode variar de ano para ano. A coleta de dados sobre as condições meteorológicas das regiões ao longo dos anos, dez ou mais, é fundamental para caracterizar os incêndios florestais.

Quando falamos em combate a incêndios florestais, a prevenção é a primeira linha a ser adotada, sendo com menor custo e sem danos às propriedades. Se a ocorrência de incêndios em áreas florestadas ou reflorestadas pudesse ser totalmente prevenida, todos os danos produzidos pelo fogo, além dos custos de combate, seriam evitados.

Uma ferramenta importante à prevenção é a análise envolvendo o risco de incêndios, onde se tomam melhores providências e o monitoramento é intensificado. Por isso existem alguns cálculos para quantificar o risco de incêndios, como, por exemplo, a Fórmula de Monte Alegre, Esta fórmula é amplamente usada no Brasil. Recomenda-se ajustar a equação para cada diferente clima, de acordo com a região estudada.

Tradicionalmente, o combate aos incêndios florestais pode ser realizado de diversas formas ou métodos. Quando a intensidade do fogo permite a aproximação da brigada à linha de fogo adota-se o método direto. Mas quando não é possível o método direto e a intensidade do fogo não é muito grande então é adotado o método paralelo ou intermediário. Já no caso de incêndios de grande intensidade é usado o método indireto. E nos incêndios de copa, de grande intensidade e área e em locais de difícil acesso às brigadas de incêndio, pode ser usado o combate aéreo, com o emprego de aviões e helicópteros, especialmente construídos ou adaptados para o combate ao incêndio.

Combate aéreo – Aviões e helicópteros podem ser usados para lançar água ou de retardantes químicos sobre o fogo. Para se ter uma idéia, somente nos EUA entre 1960 e 1988, aviões e helicópteros de todos os tipos e tonelagens, efetuaram mais de 48.000 horas de vôo por conta de atividades florestais, lançando cerca de 20 milhões de litros de água sobre mais de 1.050 incêndios florestais.

As primeiras tentativas de combate aéreo a incêndios foram feitas em 1930/31 em Spokane, Washington e Sacramento, nos Estados Unidos, onde foi utilizado um avião Hispano-Suisso da 1ª Guerra Mundial adaptado com dois pequenos tanques de água. Posteriormente foram realizados testes na Rússia, em 1934, nos EUA e Canadá, em 1937, e EUA e Austrália, em 1940.

No Canadá, em 1966, foi construído um avião anfíbio chamado CanadaAir CL-215, considerado o protótipo ideal para a extinção de incêndios florestais e que transportava até 5,5 toneladas de água em seus tanques. Este modelo não precisava pousar para o reabastecimento de água. Havendo, nas proximidades, um lago ou rio com extensão mínima de 1.800 metros ele reabastecia, apenas tocando a superfície líquida, e retornava ao local do incêndio.

No Brasil, os aviões anfíbios não teriam a mesma eficiência como no Canadá, pois não temos muitas áreas ideais para o reabastecimento de água, como lagos com grandes extensões.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro, por meio de convênio celebrado em 20 de dezembro de 2000, com o Ibama, adquiriu o primeiro avião de combate a incêndios florestais do Brasil, um Air Tractor 802F. Esta aeronave tem capacidade de transportar 3 mil litros d’água e 100 litros de retardante, espuma ou qualquer outro tipo de produto. Além do combate aos incêndios florestais, esta aeronave também pode ser usada na aplicação de defensivos agrícolas, combate às manchas de óleo no mar, patrulhamento aéreo, detecção de agressões ambientais e em ações de defesa civil, especialmente para o levantamento aerofotográfico de áreas vulneráveis a eventos adversos. O avião custou para o governo do Rio de Janeiro cerca de 1,5 milhão de dólares.

A quantidade de água necessária para o combate varia, principalmente, em função da quantidade de material combustível disponível para queima. Estima-se que para controlar um fogo de campo, utilizando um avião modelo Ipanema e levarmos em consideração uma distância de 15 km entre a pista de decolagem e o foco de fogo, esta aeronave poderá fazer cerca de 3 decolagens por hora.

As aeronaves usadas no combate aéreo a incêndios florestais podem ser vantajosas devido a sua capacidade de atacar rapidamente o incêndio, antes que ele adquira tamanho e violência e também podem rapidamente alcançar regiões com terrenos inacessíveis às equipes de terra e lançar grandes quantidades de água ou de retardantes químicos sobre o incêndio e em curtos intervalos de tempo. Aeronaves também conseguem mudar rapidamente de um incêndio a outro, extinguindo focos iniciais distantes entre si e protegendo homens e materiais. Alem disso, elas também podem ser empregadas em outras atividades, tais como no patrulhamento aéreo da área a ser protegida, transporte de homens e equipamentos de combate terrestre.

As estratégias podem ser divididas basicamente em 2 tipos: ataque direto e indireto. No primeiro caso, as descargas de água são lançadas diretamente sobre as chamas (no caso de incêndios pequenos) ou sobre os pontos mais quentes ou de atividade mais intensa (em incêndios de grandes proporções), identificados pela cor mais escura e maior densidade de fumaça. Também é empregado para cortar e reduzir uma frente de chamas, ou para diminuir a temperatura ambiente e permitir maior aproximação dos homens que trabalham na extinção por terra.

No caso de ataque indireto, as descargas de água são lançadas adiante do incêndio, a fim de obter uma linha de contenção (aceiro molhado, por exemplo) onde o incêndio não ultrapassa ou então diminui de intensidade permitindo a aproximação do combate terrestre. Este tipo é especialmente útil e possível, quando se utilizam retardantes químicos, pois pode se estabelecer verdadeiro corta-fogo ou reforçar os já existentes.

Os incêndios florestais merecem uma atenção especial no mundo e no Brasil não deve ser diferente. A falta de conscientização da população brasileira sobre os danos causados pelas queimadas é um grande obstáculo para que se façam investimentos e também que se evitem as queimadas criminosas.

A utilização de aviões e helicópteros no combate de incêndios florestais tem sido uma alternativa cada vez mais empregada no Brasil, sendo um método eficaz e que possibilita a aproximação de equipes de combate para perto das chamas e também uma maneira de se fazer o monitoramento de áreas de riscos de incêndios.

O Brasil ainda está começando os estudos e investimentos neste assunto, mas com a adaptação de aeronaves agrícolas para o combate, pode se tornar uma alternativa interessante para empresas do ramo.

Vladimir Leonardo Zanca é major do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso e piloto de helicóptero

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...