Geral

Translado de restos mortais do 1º bispo em Sinop para cripta na Catedral será no domingo

O translado dos restos mortais de Dom Henrique Froelich (primeiro bispo de Sinop) do cemitério para a cripta dos bispos na Catedral Sagrado de Jesus será no próximo domingo. A previsão é que a urna saia do cemitério às 7h15 e será acompanhada por uma procissão motorizada que irá percorrer avenidas de Sinop, passando em frente a Igreja Santo Antônio – primeira paróquia do município e sede episcopal da Diocese, até a inauguração da atual Catedral.

Em seguida, a procissão seguirá até a Catedral aonde será celebrada uma missa de Ação de Graças pela vida de Dom Henrique, presidida pelo bispo diocesano, Dom Canísio Klaus, prevista para iniciar às 8h. Familiares e amigos de Dom Henrique virão do Rio Grande do Sul para participar desta homenagem.

Para receber a celebração, além dos 3 mil lugares habituais nos bancos, a Catedral adicionará mais de mil cadeiras. Os restos mortais serão transladados no caminhão do Corpo de Bombeiros.

Dom Henrique nasceu em Santa Cruz do Sul (RS) em 22 de novembro de 1919 e faleceu em 28 de dezembro de 2003, aos 84 anos, em Sinop. Uma das vontades manifestadas era ser sepultado em meio ao povo. À época, o desejo foi atendido e feito acordo com os familiares, que futuramente seria realizado o translado para um lugar definitivo junto a igreja.

Ano passado, a diocese, por meio do bispo Dom Canísio Klaus e execução da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, fez a cripta dos bispos na catedral, com quatro sepulturas. A obra foi realizada com a doação total de benfeitores, concluída e abençoada em 9 de setembro. Diante disso, foram iniciadas as tratativas para exumação e translado.

Em janeiro deste ano, aconteceu reunião entre Dom Canísio e o padre Beto, com os familiares de Dom Henrique, em sua cidade natal. Houve o consentimento para o translado e ficou definida a data. Desde então, está sendo organizada comitiva dos familiares para acompanharem a solenidade, e eles estarão em Sinop entre 26 e 30 de maio.

Paralelamente, a diocese de Sinop está organizando a documentação necessária para o translado, com apoio da funerária Luz e Vida e poder público municipal, bem como a preparação da cerimônia solene.

Jesuíta, Dom Henrique ingressou no seminário aos 13 anos e foi ordenado sacerdote em dezembro de 1952. Em seguida, foi enviado para Mato Grosso, onde teve os primeiros contatos com os índios e desenvolveu trabalho missionário. Neste período, ficou conhecido por intermediar conflitos entre indígenas e posseiros.

Já em 1961, foi enviado para a missão jesuítica de Diamantino e em 1971 designado pelo papa Paulo VI para substituir Dom Alonso Silveira de Melo à frente da Prelazia do município. Como bispo na cidade e posteriormente em Sinop, criou mais de 30 paróquias nas regiões Norte e Médio Norte do estado.

Em outubro de 1979, o papa João Paulo II elevou a Prelazia de Diamantino à condição de diocese. Pouco depois, em fevereiro de 1982, foi criada a diocese de Sinop, desmembrada de Diamantino, e Dom Henrique foi transferido como primeiro bispo em março daquele ano.

Renunciou ao episcopado em março de 1995 ao atingir a idade canônica de 75 anos, e permaneceu em Sinop, como bispo emérito, junto com Dom Gentil Delazari. Em 2003, faleceu com renal aguda e dengue, no Hospital Santo Antônio de Sinop, fundado sob sua iniciativa.

Só Notícias/Luan Cordeiro (foto: divulgação/arquivo)