Geral

Termo de Cooperação de Brigada de Incêndio em Marcelândia será assinado 3ª

Na próxima terça-feira, 19, o Corpo de Bombeiros de Sinop e a Prefeitura de Marcelândia (350km de Sinop) estarão assinando o Termo de Cooperação para a implantação da Brigada de Incêndio no município.

Segundo o comandante do batalhão em Sinop, major Atila Wanderley da Silva, os trabalhos iniciaram na semana passada. “É importante ressaltar que desde de sexta-feira, 08, que os brigadistas estão trabalhando, tanto que já atenderem 5 ocorrências”, disse, ao Só Notícias.

A brigada funcionará durante três meses neste período de seca com 6 brigadistas contratados e capacitados pela prefeitura; que também cedeu o prédio para a implantação da brigada, o antigo escritório de uma madeireira situado na avenida principal da cidade; um carro pipa e equipamentos de segurança pessoal para os brigadistas. Um militar do batalhão de Sinop também auxilia nos trabalhos.

Além do combate a incêndios os brigadistas estão fazendo palestras para a população com o intuito de conscientização sobre os perigos que os incêndios oferecem a sociedade. “Estamos fazendo um trabalho preventivo e de reeducação com a sociedade, para que a preservação ambiental seja mantida evitando, assim, os incêndios”, completa.

“Também estamos orientando os madeireiros para que limpem os pátios das empresas, retirando os resíduos de madeira, pois hoje um dos maiores problemas enfrentados pelo município é a grande quantidade de resíduos de madeira na área urbana, e quando um monte de pó de serra pega fogo, por exemplo, ele queima durante um mês, tranqüilamente”, acrescentou o major.

Apesar das ocorrências já atendidas, todas de pequeno porte, nenhuma vítima foi registrada. A prefeitura gastou em média R$ 500 para a implantação da brigada e a folha de pagamento dos brigadistas deve girar em torno de R$ 6 mil durante os três meses.

Vera
A Prefeitura de Vera está analisando a proposta feita pelo Corpo de Bombeiros de Sinop, a respeito da implantação de uma brigada no município. “Ele está analisando a questão orçamentária para decidir”, acrescentou o major Atila.