domingo, 14/julho/2024
PUBLICIDADE

PRF envia reforço para desocupação em área indígena no Estado

PUBLICIDADE

Agentes da Polícia Rodoviária Federal de outros Estados foram convocados para auxiliar na desocupação da Terra Indígena Marãiwatsédé. A determinação partiu do Ministério de Justiça, que autorizou ainda o uso moderado da força caso ocorram novos confrontos entre as equipes que trabalham na desintrusão e resistentes a deixarem a área dos xavantes.

A PRF de Brasília encaminhou para a região do Baixo Araguaia mato- grossense um ônibus equipado com Centro de Controle Avançado para monitoramento da área.

Para desobstruir os bloqueios feitos pelos manifestantes em vários pontos da BR-158, foi autorizado à PRF usar a tropa de choque da corporação. Na manhã de ontem, as interdições das cidades de Ribeirão Cascalheira, Água Boa, Porto Alegre do Norte e Nova Xavantina foram abertas. Somente o bloqueio do Posto da Mata, onde concentra o maior número de moradores da TI, permanece.

Representante da Associação dos Produtores de Suiá- Missú (Aprosum), Sebastião Prado afirma que não pedirá aos manifestantes liberarem a rodovia, pois eles não demonstram interesse em desmobilizar o movimento.

Afirma que todos estão cansados, mas de prontidão para um enfrentamento e resistência, caso haja necessidade. Amanhã, completa uma semana do início da operação de desocupação. Órgãos envolvidos se reunirão para fazer um balanço dos trabalhos realizados e dar encaminhamentos. Até sexta-feira (14), 13 propriedades foram vistoriadas. A maioria das propriedades visitada, segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), estava desocupada.

Na semana, foram registradas 2 situações graves, além de várias ações de resistência. No primeiro dia, moradores do Posto da Mata foram até a Fazenda Jordão (a 6 quilômetros do Distrito) para impedir a desocupação. Manifestantes atacaram os policiais com pedaço de paus e pedras. O revide foi com tiros de borracha e bombas de efeito moral. Cerca de 10 pessoas ficaram feridas entre policiais e civis. Na noite de quinta-feira (13), um grupo perseguiu o caminhão da Força Nacional para tentar reaver a mudança de um despejado. Conforme a PRF, não houve novo confronto porque os policiais con- seguiram contornar a situação.

Além dos bloqueios nas rodovias, também houve queima da ban- deira nacional em protesto à retirada dos invasores, que vivem na terra há mais de 20 anos.

Suborno – A denúncia de Sebastião Prado sobre o pedido de R$ 12 milhões feito em nome do secretário nacional de Articulação Social da Secretaria-Geral da Presidência da República, Paulo Maldos, para manter o grupo na área foi rebatida pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, que anunciou a responsabilização do produtor na Justiça. Prado destaca que aguarda uma investigação séria sobre o caso. "Basta quebrar o sigilo telefônico de quem pediu o dinheiro para saber que não estou mentindo. O governo fala que ameaçamos pessoas. Isso nunca existiu".

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Carro tomba após colisão com outro na BR-163 em Sinop

O acidente envolvendo o Toyota Corolla branco e o...

Comerciante morre em acidente em rodovia estadual de Mato Grosso; dois feridos

O acidente com uma caminhonete branca (marca não confirmada)...

Carro bate em muro de condomínio em Mato Grosso e homem morre

O acidente foi hoje de madrugada, em Várzea Grande,...

Apostador de Sorriso ganha mais de R$ 80 mil na Mega-Sena

O apostador de Sorriso acertou, ontem à noite, cinco...
PUBLICIDADE