Geral

Plano de desenvolvimento do Vale do Arinos será definido em Nova Mutum

Prefeitos, vereadores, secretários de agricultura, sindicatos, associações, universidades, Empaer e demais entidades ligadas ao setor agrícola dos municípios de Nova Mutum, Nova Maringá, Itanhangá, Ipiranga do Norte e São José do Rio Claro, vão concretizar nos próximos dias 13 e 14 de dezembro, em Nova Mutum, o Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável – PTDRS. O penúltimo encontro aconteceu em Ipiranga do Norte, na última sexta-feira, dia 25, reunindo aproximadamente 30 representantes de cada município que envolve o Território Vale do Arinos. Na ocasião, o grupo iniciou a formar as comissões que vão defender a agricultura familiar e a agroindustrialização daquela localidade.

O quarto encontro em Ipiranga do Norte é resultado da iniciativa da Faculdade Municipal de Nova Mutum – FAMUNM em conjunto com a Secretaria Municipal de Agricultura de Nova Mutum. Durante o encontro foram discutidos assuntos relacionados à estruturação do território e seus benefícios conforme os demais municípios receberam. A reunião foi coordenada pelo professor e engenheiro agrônomo, Medson Janer da Silva, membro da Secretaria de Desenvolvimento Territorial, ligada ao Ministério do Desenvolvimento Agrário. Articulado pela Diretor da FAMUNM, James Richard Watzel, formou-se um núcleo territorial, formado por dois profissionais de cada município. Também foi criado a Comissão de Implantação de Ações Territoriais – CIAT, composta por seis representantes de cada município.

Segundo o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Nova Mutum, Francisco de Moraes Filho, todos os municípios estão organizados de acordo com o cronograma estipulado para formalização do território. “Foram capacitados agentes multiplicadores dos conceitos de desenvolvimento rural sustentável com enfoque territorial. Também foram formulados projetos territoriais de ações imediatas, com investimentos em infra-estrutura, produção alternativa, estruturação de mercado, agroindústria, comércio e outros serviços que integrem os municípios envolvidos”, diz.

De acordo com secretário, com o setor organizado é possível pleitear também mais recursos para aplicar na agricultura familiar. O secretário destacou que os municípios envolvidos têm características semelhantes, pois possuem grandes assentamentos rurais. “Apesar disso, a nossa região tem um IDH elevado e esse contraste dificulta a liberação de recursos para quem trabalha com a agricultura familiar. A partir do momento em que estivermos organizados em território isso vai mudar. Com uma base formada vamos ser mais representativos”, explica.

Conforme Medson, os conselhos de desenvolvimento rural sustentável dos municípios envolvidos serão à base do território. A importância dos mesmos está justamente no fato de que são apoiadores das políticas públicas do desenvolvimento rural nos municípios. “Eles tem condições de trabalhar com diferentes segmentos da agricultura, a exemplo de assentamentos, da agricultura empresarial e até mesmo com os feirantes. Organizado com reuniões ordinárias, o conselho pode inclusive acessar recursos do Pronaf e Proinf, além de outros disponíveis para o segmento”, disse.

Mato Grosso já possuí três territórios: Território do Baixo Araguaia, do Portal da Amazônia e da Baixada Cuiabana. A implantação do quarto território através da iniciativa da faculdade de Nova Mutum estará respaldando também a implantação do curso de Agronomia para 2006 em Nova Mutum. A FAMUNM é uma instituição municipal, portanto mais acessível e o projeto é atender justamente estudantes oriundos dos municípios que integram o território, fortalecendo assim cada vez mais o desenvolvimento da agricultura e as iniciativas de cunho regio