Geral

Ministério Público de Mato Grosso e FGV vão aprimorar controle do gasto público

O procurador-geral de Justiça, Mauro Benedito Pouso Curvo, assinou com representantes da Fundação Getúlio Vargas (FGV)  carta de intenções proporcionando adesão do Ministério Público do Estado de Mato Grosso ao projeto Data Analytics que já está sendo desenvolvido em três unidades do Ministério Público a nível nacional. O próximo passo será o convênio para o desenvolvimento de modelos matemáticos preditivos que possam contribuir para aprimorar a qualidade do gasto público no Estado. A pesquisa da FGV, intitulada “Data Analytics e Compras Públicas – Promovendo a Eficiência da Administração Pública por Meio da Análise de Dados”, foi premiada no final do ano passado , pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), devido ao grande potencial para a promoção da integridade pública.

Durante a reunião realizada na sede das promotorias de Justiça da Capital, o pesquisador Rafael Braem Velasco, e o vice-diretor de Escola de Políticas Públicas e Governo da FGV, Edson Kenji Kondo, PHD pela Universidade de Harvard, conheceram detalhes do projeto de inteligência artificial que está sendo desenvolvido pelo MP. “Estou trabalhando com o CNMP no levantamento da maturidade das unidades do MP Brasileiro e posso dizer com total imparcialidade que o MP de Mato Grosso está bem avançado nesse processo de ampliação da capacidade investigativa”, destacou o pesquisador da FGV, Rafael Braem Velasco.

O procurador-geral de Justiça, Mauro Benedito Pouso Curvo, afirmou estar otimista e apresentou a visão de futuro da instituição. “Nessa análise da qualidade do gasto público, não queremos parar no filtro da inteligência artificial. A ideia é disponibilizar as informações obtidas sobre todas as licitações em nosso site para que qualquer cidadão possa ter acesso. Trabalhamos com um novo conceito de transparência para que o controle ocorra antes da efetivação da contratação”, ressaltou .

Curvo fez questão de lembrar que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) é parceiro do Ministério Público nesta iniciativa e adiantou que já foi solicitado ao presidente da instituição, conselheiro conselheiro Gonçalo Domingos Neto, a ampliação do acesso à base de dados de quatro novos módulos do APLIC (Auditoria Pública Informatizada de Contas) e do Sistema Geo-Obras, informa a assessoria do MPE.

Só Notícias