Geral

Mato Grosso, Rondônia e Mato Grosso do Sul buscam ampliar aliança para combater facções na Bolívia

Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia estão buscando uma aliança contra as facções criminosas que passou a se estabelecer na Bolívia e, isso, tem refletido na criminalidade no país. A intenção é firmar uma parceria com o Departamento de Pando, na Bolívia, como foi feita por meio de uma carta, em abril, com o Acre.

O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, participa do Encontro de Segurança Fronteiriça Brasil/Bolívia, que termina hoje, em Rio Branco (AC) e mencionou que um dos crimes que mais preocupa são os roubos e furtos de aeronaves e a necessidade do intercâmbio de informações.

“A criminalidade não escolhe lugar, se esconde em Santa Cruz, Beni e Pando [estados bolivianos que eles se referem como Departamentos], e os criminosos têm um contato muito grande, têm vínculos e precisamos nos organizar. Aeronaves são furtadas em vários países, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul também, e têm como destino a Bolívia e o Paraguai, para transporte de contrabando e tráfico de drogas. Precisamos do intercâmbio de informações para qualificar as nossas investigações”.

Bustamante também lembrou que as autoridades de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul trabalharam em conjunto durante as queimadas que atingiram o pantanal brasileiro e boliviano no ano passado e que a parceria na área do meio ambiente foi um sucesso e pode também trazer bons frutos na área da Segurança Pública.

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública do Acre, coronel Paulo César Rocha dos Santos, comentou que o Brasil não se orgulha de exportar o crime organizado para outros países. “O crime organizado não respeita fronteiras, não respeita soberania e organizar-se de forma diferenciada independente é necessário. Os Estados aqui representados criaram estruturas estaduais de combate aos crimes transfronteiriços. Percebemos que a fronteira é um desafio e insumo da violência”.

O vice-ministro de Segurança Cidadã da Bolívia, Roberto Ríos Sanjinés, disse que as facções brasileiras ainda não se estabeleceram no país como aqui no Brasil, mas há a presença de alguns emissários, mas que é necessário estabelecer ações preventivas para que de maneira conjunta possam lutar para que eles não possam ultrapassar a fronteira.

“Os crimes na fronteira afetam a soberania e os direitos individuais e coletivos. O fluxo dessas pessoas merece atenção especial e, por isso, é necessário trabalhar em conjunto para fortalecer as relações bilaterais e implementar ações conjuntas de intercâmbio de informações, capacitação dos policiais e técnicos envolvidos na temática, para melhorar as condições de fiscalização e combate ao crime”.

Redação Só Notícias (foto: assessoria)