Geral

Lucas do Rio Verde terá sistema de monitoramento por vídeo

A prefeitura de Lucas do Rio Verde vai contratar, por meio de licitação, uma empresa para fornecer e instalar câmeras em diversos pontos da cidade. O sistema será interligado com uma central instalada no prédio que abriga o Batalhão da Polícia Militar e será operado por uma equipe multidisciplinar. Os equipamentos serão alugados pela prefeitura.

No pacote estão inclusos câmeras, conversores, módulos de detecção veicular, monitores de LCD para os computadores, workstations, videowall com 3 (ou mais) TVs 49 polegadas ou superior, servidores de imagem, tubulações e acessórios como suportes para fixação, cabos, caixas de proteção contra eventos atmosféricos (chuvas e raios) e vandalismo, energia elétrica, entre outros.

A partir da emissão da ordem de fornecimento, a empresa terá 15 dias para instalar os softwares e servidores, bem como toda a infraestrutura do Centro de Comando e Integração. Os conjuntos poste-câmera, bem como todos os equipamentos e periféricos deverão começar a ser instalados em 15 dias. Deverão estar em operação em, no máximo, 60 dias.

De acordo com o secretário de Segurança e Trânsito, Edgar Rojas, o programa terá, inicialmente, a instalação de 54 câmeras alugadas – o projeto prevê a colocação de outros 250 dispositivos até o final. Além de gravar a imagem da placa de todos os veículos que entrarão na cidade, os operadores do sistema serão automaticamente informados se algum deles tiver registro no banco de dados do cadastro nacional de veículos furtados ou roubados e inclusive a rota seguida.

O projeto, segundo Rojas, deverá ser ampliado pela própria empresa contratada para, mais adiante, chegar a 304 câmeras de vigilância, número considerado ideal a partir de um estudo técnico feito por integrantes da Secretaria de Segurança e Trânsito, das forças de segurança e do Departamento de Tecnologia da Informação da própria Prefeitura, que mapeou áreas críticas e pontos estratégicos para cobertura total do perímetro urbano. A ampliação se dará com a adesão de comerciantes e de grupos de moradores que queiram ter a área frontal de empresas e de casas monitoradas pelo sistema.

Só Notícias/Herbert de Souza