quarta-feira, 17/julho/2024
PUBLICIDADE

Justiça suspende atividades de pousada em Mato Grosso

PUBLICIDADE

O juiz da Comarca de Santo Antônio de Leverger, Murilo Moura Mesquita, deferiu a antecipação de tutela em ação civil pública proposta pelo Ministério Público e determinou a suspensão imediata das atividades desenvolvidas por uma pousada, até que seja obtida a devida licença operacional e ambiental. Em caso de descumprimento, foi fixada multa diária de R$ 10 mil.

Consta dos autos que durante a realização dos trabalhos de vistoria promovidos em decorrência do Projeto Verde Rio foi constatado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) que o empreendimento está funcionando sem licença ambiental. Localizada na zona rural de Santo Antônio de Leverger, a pousada mantém edificações e outras estruturas situadas dentro de área de preservação permanente, fato que, segundo o Ministério Público, reforça a necessidade de concessão de licença ambiental.

Para conceder a antecipação de tutela, o magistrado sustentou estarem presentes os dois requisitos necessários, quais sejam, o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação e a verossimilhança da alegação.

Na decisão, o magistrado destacou a existência do Relatório de Vistoria nº 86/Projeto Verde Rio/Sema/2011, que atesta que boa parte das edificações pertencentes ao empreendimento foi levantada em áreas de preservação permanente. Entre elas o pórtico de acesso, escritório, banheiro, sistema de tratamento de efluentes, casa de força, restaurante, cozinha, barracão para depósito de carroças e charretes, abrigo de animais e garagem para veículos. Além disso, consta de documentos da Sema que o empreendimento não dispõe das licenças ambientais necessárias para o desenvolvimento de suas atividades

O magistrado firmou entendimento que a exploração da atividade econômica desempenhada pela requerida fere o artigo 10 da Lei Federal nº 6.938/81, que exige prévio licenciamento para construção, instalação, ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental.

"De outra feita, o dano irreparável ou de difícil reparação ao meio ambiente se mostra presente, na medida em que a utilização do imóvel, para fins econômicos, sem a devida autorização do órgão ambiental competente, expõe, sobremaneira, Área de Preservação Permanente (APP) à degradação", assinalou o magistrado.

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Dados de satélite indicam redução no número de focos de calor em Mato Grosso

Dados do Programa BDQueimadas do Instituto Nacional de Pesquisas...

Homem fica ferido em colisão entre carro e moto em Sinop

Um homem ficou ferido em um acidente no setor...

Coruja é resgatada em área de risco por morador de Sorriso

O filhote de coruja suindara (tyto furcata), também conhecida...
PUBLICIDADE