Geral

Governo confirma que 11 empresas na licitação para retomar obras do Hospital Central em Mato Grosso

A Comissão de Licitação do governo do Estado confirmou que  11 empresas de construção civil participam da concorrência pública. A constatação foi feita, esta manhã, durante abertura dos envelopes com propostas das empreiteiras que apresentaram interesse na execução das obras do novo Hospital Central, anunciado pelo governo de Mato Grosso, em novembro do ano passado.  O valor estimado para a construção do hospital é de mais de R$ 113,9 milhões, com um cronograma de execução de 22 meses. Com o investimento, a unidade contará com aproximadamente 32 mil m² de área construída, sendo 9 mil da estrutura antiga e 23 mil de ampliação.

Quando a obra for totalmente finalizada, o Hospital Central terá nove salas cirúrgicas e ainda contará com 60 leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), 36 leitos da Unidade de Cuidados Intensivos, 21 leitos de Pronto Atendimento, 44 leitos de retaguarda e 129 leitos de enfermaria; um total de 290 leitos voltados para o atendimento de toda a população mato-grossense.

O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo disse que a anuidade foi iniciada há 34 anos e “que muito beneficiará toda a população de Mato Grosso, está mais próximo de ser real a cada etapa da licitação. Reformulamos o projeto; vamos aproveitar nove mil metros de área construída e acrescentar outros 23 mil metros ao Hospital, que será o mais moderno e de alta complexidade no Estado”.

Com a abertura dos envelopes, toda a documentação apresentada por cada uma das firmas será submetida ao processo de análise para saber se estão de acordo com os termos, conforme consta descrito no edital publicado no Diário Oficial do dia 29 de abril. A leitura minuciosa de todos os 11 processos será realizada pela equipe de Engenheiros Civis e com auxílio dos orçamentistas que atuam na Superintendência de Obras da Secretaria Estadual de Saúde.

De acordo com a engenheira do setor de obras da SES, Patrícia Delgado, a previsão para conclusão desta etapa será de até duas semanas. “Vamos analisar os aspectos dos preços, exequibilidade da obra e se esses valores são praticados no mercado com base na planilha de valores do processo, isso leva em torno de 14 a 15 dias no máximo para conclusão do processo”.

Ainda de acordo com as explicações da servidora, o resultado da análise de cada processo será divulgado no Diário Oficial. Além disso, serão informadas as datas para que as empresas entrem com recurso caso descordem de alguma fase do resultado do julgamento técnico.

A Comissão de Licitação responsável pelo processo informou que três empresas foram desclassificadas devido a questões jurídicas e por não seguirem as normas documentais do edital. Por este motivo, não tiveram os envelopes abertos para serem analisados. Os documentos dessas construtoras inabilitadas ficarão disponíveis para retirada no setor de Superintendência de Aquisições e Contratadas.

A construção do Hospital Central, lançada em 1984, foi pensada com o objetivo de proporcionar um atendimento de referência em alta complexidade nas especialidades de traumatologia, ortopedia e urgência e emergência de trauma. Contudo, devido ao corte de recursos do Governo Federal, a obra foi paralisada em 1987.

Em 1992, a construção do Hospital Central foi retomada pela gestão estadual, porém permaneceu inconclusa em razão de um desacordo entre o Governo Estadual e Federal. A obra voltou a ser retomada em 2004 pela gestão estadual, ocasião em que novamente foi paralisada.

Contudo, no ano de 2014, a Justiça Federal acatou parcialmente a solicitação do Ministério Público Federal  para a inclusão de recursos que viabilizassem o término do Hospital Central.

Redação Só Notícias