Geral

Carreta com recursos tecnológicos auxilia trabalhos em operação contra desmate ilegal no Nortão; R$ 2,5 milhões em multas 

O veículo especial de tecnologia do Centro Integrado de Comando e Controle Móvel (CICCM) da secretaria estadual de Segurança Pública é um dos recursos integrados na Operação Amazônia 2021, deflagrada na última quinta-feira, na região Norte de Mato Grosso. A unidade móvel está estacionada na cidade de Nova Bandeirantes (520 quilômetros de Sinop), base de apoio para os agentes que atuam na missão de combate aos crimes ambientais no bioma Amazônia.

Nas primeiras horas da manhã os agentes e militares realizam dentro da unidade uma reunião de alinhamento dos locais de fiscalização dia. No telão, são exibidos os pontos e localização das áreas, distâncias, os hectares que foram destruídos, os acessos às vias terrestres e demais detalhes técnicos.

Segundo informações do chefe da operação, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, Antônio Guimarães, os recursos do Posto de Comando integrado garantem maior agilidade na conclusão das etapas do trabalho que podem ser realizados no local. “Após a conclusão do ciclo de fiscalização do dia, as equipes terrestres e aéreas retornam para nossa base. Aqui dentro do CICCM, os militares e demais agentes realizam a produção dos relatórios relacionados aos pontos alvos onde foram verificados e a confecção de termos de infração”, explicou o coronel.

O CICCM é equipado com alta tecnologia, possui computador (12 máquinas) conectado à internet, sinal wi-fi, impressora e um telão na parte central para projetar imagens dos mapas da operação. Além disso, a cabine possui sistema de ar-condicionado e banheiro.

A Operação Abafa Amazônia 2021 faz parte das ações do governo de Mato Grosso, que investiu R$ 73 milhões para as diversas ações de combate à temporada de incêndios florestais. As instituições de segurança foram fortalecidas com equipamentos, veículos, dentre outras medidas para proteção dos biomas que apresentaram satisfatória redução na incidência de focos de calor na vegetação: Pantanal 92%, Cerrado 53% e Amazônia 38%.

A operação é coordenada pelo Corpo de Bombeiros e conta com a força integrada de 35 agentes de segurança pública, secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Defesa Civil, Polícia Militar, Polícia Civil, Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e Perícia Oficial de Identificação (Politec).

Conforme Só Notícias já informou, até o momento, o valor de multas aplicadas chegou a R$ 2,5 milhões aos infratores, donos de grandes propriedades na zona rural das cidades de Apiacás, Nova Bandeirantes e Nova Monte Verde, acusados de destruir 981 hectares de vegetação com uso do fogo durante o período proibitivo.

Redação Só Notícias (foto: assessoria/Carlos Celestino)