Geral

Aumento da piscicultura, agropecuária, mineração e sistema de irrigação na bacia do Rio Cuiabá é preocupante, diz pesquisa

A atividade de piscicultura lidera o ranking de uso da água na Bacia Hidrográfica do Alto Rio Cuiabá com aproximadamente 3,5 mil tanques. A lista inclui ainda a utilização da água para irrigação, abastecimento urbano e rural, agricultura, mineração, indústria, lazer e para o consumo animal nos municípios de Nossa Senhora do Livramento, Várzea Grande e Nobres. 

O aumento da piscicultura, agropecuária, mineração, a expansão urbana e os sistemas de irrigação foram os pontos preocupantes elencados no diagnóstico apresentado pelo integrante do Núcleo Interdisciplinar de Estudos em Saneamento Ambiental da Universidade Federal de Mato Grosso, José Álvaro. Os estudos subsidiarão a elaboração do Plano de Bacia Hidrográfica do Alto Rio Cuiabá, que está sendo viabilizado com recursos do Banco de Projetos e Entidades do MP. 

A promotora Michelle de Miranda Rezende Villela destacou que “é preciso conhecer para preservar. Esse estudo será essencial para a elaboração de políticas públicas que possam somar ao desenvolvimento sustentável” e também enfatizou a relevância da participação da sociedade na consulta pública. “Estamos aqui para apresentar o diagnóstico, mas também para ouvir a população. Para o Ministério Público, como defensor do Estado Democrático de Direito, a opinião de vocês é fundamental para a construção desse plano”, acrescentou. 

Para os participantes da audiência em Várzea Grande, entre as ações que deverão constar no plano estão a efetiva implantação do saneamento básico nos municípios; a implementação da coleta seletiva de lixo em Cuiabá e Várzea Grande; efetivação de um plano de comunicação para conscientização dos efeitos da falta de interligação na rede de esgoto; e identificação das responsabilidades de cada um dos maiores usuários da água do rio. 

Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)