Esportes

Em crise, diretoria do Mixto promete dispensar 60% do time

A fase não é mesmo das melhores para uma das mais tradicionais equipes do futebol de Mato Grosso. O Mixto que veio para a temporada como um dos favoritos ao título do campeonato, pode disputar a repescagem da competição caso não reaja nas próximas rodadas. Saiu Elzo Coelho, entrou Éder Taques. Mudaram os zagueiros, mas não a maneira de atuar. A derrota do Mixto (1 x 0) para o Santa Cruz), domingo no Verdão, até que era esperada, afinal o novo técnico teve apenas uma semana de treinamentos.

O resultado só provou o que todos já sabiam: o time é fraco e não tem condições de disputar o título. A ordem, agora é começar tudo de novo, da estaca zero, e dar a volta por cima no Segundo Turno, caso contrário o time será a obrigado, pelo segundo ano consecutivo, a brigar por uma vaga na Repescagem.

A reunião, que estava marcada para a tarde de ontem, foi adiada para hoje envolvendo o vice-presidente José Riva, o diretor de futebol Márcio Pardal e o técnico Éder Taques. No encontro, além de dispensas de 60% do elenco, Taques irá pedir, com urgência, as “peças de reposição”, reforços para o returno do Campeonato Mato-grossense. O Mixto ganha folga de 15 dias na tabela do Estadual e só voltar a atuar no dia 3 de abril no clássico diante do arquirival Operário, informou o jornal A Gazeta.

Sem tempo suficiente para implantar seu método de trabalho, o técnico mixtense diz que a folga é tudo que a comissão técnica quer para arrumar a casa. Para ele, o resultado negativo diante do Santa Cruz foi ainda reflexo do que já vinha ocorrendo no trabalho de seu antecessor, o ex-jogador Elzo Coelho, demitido na semana passada após a goleada sofrida para o Cuiabá.

Hoje, a diretoria espera concretizar de vez a contratação do zagueiro Marcelo Caixa D” Água e do goleiro Marcelo Bezerra.