Educação

Nova reitoria da Unemat quer fortalecer estrutura já existente e não tem previsão de novos câmpus

A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) não deve abrir novos câmpus em breve. Ao menos, essa é a previsão dada pela nova reitora da instituição, Vera Maquêa, em live realizada com a comunidade acadêmica. Ao responder questionamento feito por Só Notícias, a gestora afirmou que a proposta é fortalecer a estrutura já existente, de forma a não comprometer o orçamento da Unemat.

“Hoje, não existe previsão de implantação de novos câmpus. Temos 13 campus em todo o estado e trabalhamos com uma estrutura já bastante grande. Atendemos muito da comunidade de Mato Grosso. Já estamos acostumados com esse ‘assédio’, digamos assim, no bom sentido, porque todos os municípios de Mato Grosso querem a Unemat. Isso é bom e nos enche de orgulho. Ninguém iria querer se a instituição não fosse de referência e qualidade. Mas, hoje, com o orçamento que a gente tem, não existe essa possibilidade”, afirmou.

Vera ainda destacou que em seu plano de gestão consta a democratização do acesso à universidade por vias alternativas, como a abertura de turmas únicas em alguns câmpus e até mesmo em cidades onde a Unemat ainda não está presente. “Temos alguns núcleos pedagógicos no Estado e, por meio deles, a gente oferece turmas únicas especiais. Dentro de alguns câmpus consolidados também realizamos esse tipo de oferta. E, com isso, a gente consegue atender a uma demanda da sociedade sem aumentar a nossa estrutura, que tem a ver com impacto financeiro muito forte. Então, estamos em uma linha de fortalecer o que a gente já tem. Nossa proposta foi construída sobre esse espírito”, defendeu.

Se por um lado não há previsão para aumentar a estrutura, a nova reitoria da Universidade entende como uma necessidade a contratação de profissionais efetivos. Segundo o vice Alexandre Porto, já há uma conversa em andamento e uma autorização prévia do governo do Estado para que seja realizado um novo concurso público para a instituição.

“A gente sabe que já está ocorrendo uma conversa com o governo. Já existe uma autorização prévia da atual gestão, tanto para o concurso de profissionais técnicos, como para docentes. O compromisso que a gente fez foi para garantir que esse concurso seja feito logo. A gente sabe que agora estamos entrando em período eleitoral e não há possibilidade de concurso. Mas tão logo que a gente tome posse, iremos discutir com o governo para que a gente consiga preencher essas vagas”, disse Alexandre.

O vice-reitor avaliou ainda que “a universidade está estrangulada pela falta de profissionais técnicos. E quase 50% dos nossos docentes hoje são contratados. Então, a gente precisa de concurso público para fortalecer as ações de pesquisa, de extensão, pós-graduação e o ensino da universidade. E nos comprometemos com isso durante toda a campanha, tendo sido a primeira meta para fortalecer as nossas ações”.

Conforme Só Notícias já informou, Vera Maquêa, de Cáceres, foi eleita nova reitora da Unemat, com 3.213 votos válidos de professores, acadêmicos e servidores, o que representa 50,93%. Em segundo, ficou o professor Roberto Arruda, de Sinop, com 2.522 votos válidos, 35,33%. O professor Celso Fanaia (Tetinho) teve 977 votos, representando 10,7%.

A eleição foi na semana passada, em 39 municípios, onde foram instaladas 63 urnas. Houve 6.516 votos válidos, 18 nulos e brancos 22. Estavam aptos a votar 19 mil acadêmicos, professores e técnicos. A posse de Vera e Alexandre ocorrerá em 16 de dezembro e o mandato vai até 2026. Vera teve apoio do atual reitor, Rodrigo Zanin (de Sinop).

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: reprodução)