Educação

Aulas para mais de 16 mil alunos da rede estadual retornam na próxima semana em Sinop

As aulas no formato híbrido (misturando presencial com ensino à distância) retornam na próxima quinta-feira (5), em Sinop, nas 20 escolas estaduais para os mais de 16 mil alunos que estarão divididos em dois grupos, A e B, para manter o contingenciamento e as medidas de biossegurança nas unidades, que foram preparadas para o retorno seguro, considerando a infraestrutura, protocolos e comunicação entre pais e professores. O governo do Estado investiu mais de R$ 170 milhões em todos os municípios. 

“Dia 3 e 4 de agosto vamos organizar o espaço escolar e fazer planejamento, aí na quinta-feira (5) vem o grupo A, e na sexta-feira (6), o grupo B para fazer acolhida do primeiro dia de aula. Na segunda-feira (9), já começa a primeira semana do A e na outra o B, cada escola vai organizar da melhor forma, tem muito que fazer ainda, às vezes uma coisa dá errada, vai ter que sempre estar pensando, organizando de que forma serão as aulas”, explicou a assessora pedagógica Janaína Chitolina,  ao Só Notícias.

As atividades presenciais na rede estadual de educação de Mato Grosso foram suspensas no dia 23 de março de 2020. Para garantir o retorno seguro, no primeiro momento na modalidade híbrida, o governo do Estado iniciou, no ano passado, os repasses para as escolas se prepararem, assim como as capacitações necessárias para os profissionais da educação e a elaboração dos planos de contingência. Somente para a compra de materiais de biossegurança – como máscaras, álcool em gel, protetores faciais e para aquisição de produtos de higienização e sanitização, foram repassados R$ 3,6 milhões às escolas.  

A assessora emendou que “foram instalados dispenser para álcool, pias na cozinha da merenda, reorganização das cadeiras nas salas de aulas, sinalização de distanciamento, cartazes explicativos, todos os cuidados de protocolos de biossegurança as escolas fizeram. Todas receberam verbas para o preparo e teve equipe da secretaria Estadual que veio para fiscalizar as escolas”. 

Para garantir que as escolas adequassem a parte de infraestrutura, o governo ainda triplicou o valor do recurso descentralizado. Esse recurso é destinado para pequenas intervenções preventivas e corretivas nas unidades escolares e todos os diretores podem solicitar o valor duas vezes ao ano. Até junho, o valor era de R$ 33 mil (cada um) e passou para até R$ 100 mil. Mais de 305 escolas já receberam recursos para manutenções, totalizando mais de R$ 24 milhões. Também foram garantidos mais de 700 mil kits alimentação para os estudantes. 

Só Notícias/David Murba (foto: assessoria/arquivo)