terça-feira, 28/maio/2024
PUBLICIDADE

Mulheres têm quase cinco horas a mais de jornada semanal do que os homens

PUBLICIDADE

A jornada semanal das mulheres, em casa e no trabalho, têm quase cinco horas a mais do que a dos homens. No total, são 57,1 horas, contando com 34,8 horas no trabalho e mais 20,9 horas de atividades domésticas. Já os homens têm uma jornada total de 52,3 horas, sendo 42,7 horas no trabalho e 9,2 horas de afazeres domésticos.

Os dados fazem parte de um levantamento realizado e divulgado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Apesar de as mulheres terem tido maior acesso aos empregos, as condições são mais precárias do que a dos homens. Embora compartilhem com eles o tempo de trabalho remunerado, a mudança não correu em relação à distribuição dos afazeres domésticos.

Elas buscam uma maneira de combinar a jornada de trabalho no mercado com o tempo destinado às tarefas domésticas. Como consequência, enfrentam mais dificuldades para ingressarem e permanecerem no mercado de trabalho e maiores níveis de informalidade.

Principal motivo
O principal motivo para a responsabilidade das atividades domésticas ser destinada às mulheres é cultural. Para a OIT, essa concepção reflete na insuficiência de políticas de conciliação entre trabalho e família e na não incorporação da ideia de co-responsabilidade compartilhada entre ambos os sexos.

Para a economia, essa situação gera custos, já que há um desperdício de força de trabalho, além de impactar diretamente a produtividade feminina, o clima organizacional e a rotatividade de profissionais. A pesquisa destacou que, em 2008, das 97 milhões de pessoas acima de 16 anos de idade presentes no mercado de trabalho, as mulheres representavam 43,7% do total, ou 42,5 milhões de profissionais.

Fecundidade e filhos
Em relação à taxa de fecundidade, entre as mulheres de 15 a 49 anos, para o período de 1991 a 2007, nota-se um queda de 2,9 para 1,95, dado abaixo de reposição da população, que é de 2,1.

Entre 1998 e 2008, observa-se um aumento de casais sem filhos, de 13,3% para 16,6%, enquanto reduziu de 55,8% para 48,2% o número de casais com filhos. Houve também uma alta de 16,7% para 17,2% no número de famílias com mulheres sem cônjuges e com filhos.

O número de famílias chefiadas por mulheres também aumentou, passando de 25,9% em 1998 para 34,9% em 2008.

 

Notícia anterior
Próxima notícia

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Valor da cesta básica volta a subir em Sinop e chega a R$ 798; carne sobe 18%

O Centro de Informações Socioeconômicas (CISE) da Unemat, em...

Bancos não terão atendimento presencial ao público no feriado de Corpus Christi

As agências bancárias não estarão abertas para atendimento presencial...

Preço médio dos combustíveis volta a subir em Sinop e Sorriso, diz ANP

O mais recente levantamento da Agência Nacional do Petróleo,...
PUBLICIDADE