Economia

Mulheres destacam-se nos cursos de qualificação e assumem o próprio negócio

Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego e Cidadania (Setec) vem contribuindo no processo de inclusão da mulher no mercado de trabalho. Desde a década de 30 que as mulheres lutam por políticas públicas diferenciadas que assegurem o direito de igualdade nos diversos segmentos sociais. Essa luta possibilitou que elas conquistassem mais espaço e hoje possam conciliar a vida familiar, os afazeres de casa, filhos e a carreira profissional.

Uma forma que a Setec encontrou para contribuir com o fortalecimento do papel da mulher na sociedade foi priorizar o segmento feminino entre o público beneficiado com os cursos de qualificação profissional oferecidos pelo Governo do Estado. Profissões que antes eram exclusivamente exercidas por homens, agora também são desempenhadas por mulheres.

Um exemplo pode ser observado no curso de operadores de máquinas e implementos agrícolas, que há tempos era uma profissão exclusivamente masculina. Em todos os municípios do Estado onde foi realizado o treinamento básico para operadores de máquinas agrícolas a mulher marcou presença e muitas vezes se destacou. Foram 41 mulheres qualificadas. “O que parecia um sonho se tornou realidade. A chance de adquirir meus primeiros conhecimentos sobre máquinas e implementos agrícolas chegou. A expectativa de trabalhar na lavoura estava bem perto, e com muita dedicação fui até o fim, tirando dúvidas, recebendo elogios dos meus instrutores, que era o que mais me animava”, conta Lindinalva Maria de Deus, aluna do curso em Nova Mutum.

Para Fábia Helena da Silva, 30 anos, o curso de qualificação em máquinas agrícolas foi uma forma de mudar de vida. Ela, que antes trabalhava no ramo de cobrança, agora opera uma colheitadeira no valor de R$ 450 mil, colhendo cerca de quinze graneleiros de 60 sacas por dia. “Chegaram a dizer que quem me empregasse seria louco, pois uma máquina de R$ 450 mil não servia para as mãos de uma mulher”, ressalta.

Outro curso de destaque é o de capacitação para a construção civil. De 98 trabalhadores que foram qualificados em 2004 pela Setec, 10 são mulheres e, dessas, seis especializadas em assentamento de azulejos. O projeto “Mulher Cidadã” capacitou 630 mulheres rurais assentadas e acampadas em diversos cursos voltados para a vocação econômica da localidade onde residem, auxiliando na elaboração de projetos, liberação dos financiamentos e comercialização dos produtos.

Dados do Sistema Nacional de Emprego (Sine) também comprovam essa evolução das mulheres no mercado de trabalho. Só no ano de 2004, de 18 mil vagas preenchidas, 5.767 foram por mulheres. Dessas, 810 eram mulheres chefes de família e 670 acima de 40 anos.

Este é o caso da empregada doméstica Aparecida de Fátima Martins, 41 anos. Ela veio de Goiás e assim que chegou a Cuiabá foi à procura de emprego no Sine. “Foi muito fácil, fui bem atendida e tive retorno em poucos dias. Hoje estou empregada, trabalhando integralmente para uma família. Por causa da minha idade, não imaginava conseguir rápido um emprego”, diz ela.

Na maioria dos casos, os salários ainda são menores que os dos homens, mas elas já ocupam importantes cargos em empresas públicas e privadas. Atualmente não é difícil encontrar mulheres em cargos de liderança ou ainda ingressadas na carreira política.

Na opinião da secretária de Trabalho, Emprego e Cidadania, Terezinha Maggi a presença feminina está crescendo em cargos de grande escalão, tanto na área pública, quanto privada, devido ao espaço que a mulher vem conquistando nessas áreas. “Nós temos uma sensibilidade diferente dos homens, somos mais detalhistas e isso auxilia no relacionamento com o cidadão e, principalmente na hora de se por em prática ações de cunho social, que buscam a melhoria da qualidade de vida da população”, diz.

MICROCRÉDITO – No ano de 2004, muitas mulheres também puderam contar com apoio da Setec para conquistar sua independência financeira. Isso foi possível com o MicroCrédito, programa de geração de emprego e renda do Governo de Mato Grosso. Em apenas um ano de existência, o MicroCrédito trouxe novas oportunidades de emprego a trabalhadoras menos favorecidas. Foram aprovadas 484 propostas de crédito e, dos proponentes financiados, 60% são mulheres.

Além da qualificação profissional, a Setec também desenvolveu diversos outros projetos voltados para mulheres. A 1ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres foi uma das ações desenvolvidas pela Secretaria em parceria com o Conselho da Mulher.

A Setec se preocupou, ainda, com a saúde das mulheres carentes. No ano passado, no Dia Internacional da Mulher foi firmado um termo de cooperação técnica com o Hemocentro para atendimento ginecológico e odontológico. Mais de 100 mulheres carentes foram atendidas e beneficiadas com exames de hemograma, mamografia, exames preventivos de câncer de colo de útero e tratamento odontológico.

As mulheres que lutam por seus direitos também podem buscar apoio no Conselho da Mulher (CEDM/MT). O Conselho existe desde 1996 e ao todo são 20 conselheiras, mais suplentes, que trabalham com o objetivo de participar e fomentar políticas públicas voltadas para a defesa dos direitos das mulheres.