segunda-feira, 27/maio/2024
PUBLICIDADE

Montadoras vão investir R$ 71 bilhões até 2017

PUBLICIDADE

As montadoras de veículos no Brasil elevaram sua previsão de investimentos para o período até 2017. Em lugar dos R$ 60 bilhões divulgados até a semana passada, a estimativa agora é R$ 71 bilhões. A informação foi divulgada hoje (8) pelo presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan Yabiku Júnior, após reunião do Grupo de Apoio à Competitividade (GAC) , com presença dos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel. Segundo Moan, a Anfavea recebeu notificações de mais aportes, no valor de R$ 11 bilhões.

Apesar da expectativa positiva, segundo o presidente da Anfavea, o setor segue preocupado com as exportações e voltou a pedir ao governo um pacote para estimular as vendas externas de veículos. Segundo ele, em 2005 a indústria automotiva brasileira exportou 900 mil unidades. Este ano, no entanto, as vendas externas devem somar apenas 420 mil veículos. De acordo com o presidente da Anfavea, o setor deseja um programa que possibilite alavancar a exportação ao patamar de 1 milhão de unidades anuais até 2017.

"Coloquei claramente que nós precisamos de medidas adicionais, do Exportar Auto. A reação dos dois ministros foi muito boa. Nós, da Anfavea, estamos finalizando estudos a respeito. Nosso principal problema é a carga tributária, superior a 8%, do custo de produção", disse.

Além da Anfavea, mais 29 entidades que representam o setor privado participaram da reunião do GAC. Entre elas, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC).

O presidentes da Fiesp, Paulo Skaf, disse que frisou aos ministros a importância da aprovação da Medida Provisória (MP) 595/2012, a MP dos Portos. "O pedido concreto de hoje foi esse. Há uma indefinição [da economia], setores com desenvolvimento bom e ruim. Com a aprovação, a gente reduz o Custo Brasil, melhora a eficiência", disse.

Paulo Safady, presidente da CBIC, também falou sobre investimentos para melhorar a logística e infraestrutura. Para ele, a elevação da taxa de retorno para as concessões de rodovias anunciada mais cedo pelo ministro Guido Mantega é "bom sinal". "É preciso uma reversão do movimento da economia, o mercado externo continua em crise".

Já o presidente da CNI, Robson Andrade, disse estar preocupado com a concorrência das importações, especialmente dos produtos chineses. "Os setores estão com dificuldades, pois tem muita importação de máquinas da China. [Precisamos de] uma série de ações para dar mais competitividade às exportações, principalmente defesa comercial", disse. Segundo ele, segmentos específicos como têxtil e de máquinas e equipamentos apresentaram demandas ao governo. Andrade, no entanto, não detalhou quais foram os pedidos.

 

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Bancos não terão atendimento presencial ao público no feriado de Corpus Christi

As agências bancárias não estarão abertas para atendimento presencial...

Preço médio dos combustíveis volta a subir em Sinop e Sorriso, diz ANP

O mais recente levantamento da Agência Nacional do Petróleo,...

Coleta para atualizar herbários com amostras de 32 espécies florestais é feita no Nortão

Quatro municípios mato-grossenses estão sediando no mês de maio...
PUBLICIDADE