Economia

Madeireiros em Mato Grosso e entidades buscam aprimorar gestão do setor florestal em Mato Grosso

Mais de 100 empresários do setor florestal da região Noroeste de Mato Grosso participaram do programa de capacitação em gestão florestal que tem como objetivo melhorar o conhecimento e as práticas do setor e, consequentemente, o atendimento da legislação, bem como a alteração da mesma, caso seja consenso. Foram quatro encontros em cidades polo: Juína, Juruena, Colniza e Aripuanã, incluindo a participação de empresários florestais dos municípios de Brasnorte e Cotriguaçu também.

Nesta primeira etapa, a equipe do CIPEM (Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado ) ouviu os empresários do setor sobre as dificuldades, problemas e dúvidas enfrentados no dia a dia da atividade. Essas informações vão subsidiar a realização das próximas etapas do Programa, que prevê a realização de um workshop, com a participação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), da Associação Mato-grossense dos Engenheiros Florestais (AMEF) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Ao final, será elaborada uma cartilha multimídia com as principais orientações e informações para o setor.

“Diante das dificuldades enfrentadas pelos industriais da base florestal, atualmente se faz necessário revisar procedimentos e normas. Um setor que claramente concilia sua produção com a manutenção da cobertura florestal para futuras gerações está, cada vez mais, tendo seus processos engessados. Com isso, o setor mostra que está na hora de repensar os modelos postos para equalizar, de forma segura para ambos, meio ambiente e produção”, disse Rafael Mason, presidente do CIPEM.

Durante os encontros, os participantes discutiram questões relacionadas ao licenciamento ambiental, controle do transporte da madeira, comercialização de produtos florestais, operação da indústria e processos de fiscalização.

Algumas das principais reclamações do setor foram recorrentes em todas as reuniões: problemas nos procedimentos de fiscalização e identificação de madeira, tanto de incompatibilidades de laudos na identificação das espécies florestais, quanto técnicos e de interpretação na nomenclatura dos produtos de origem florestal; erros de procedimentos e abuso de autoridade no momento das fiscalizações pelos órgãos ambientais e Polícia Rodoviária Federal; pouca informação sobre a migração do Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora) 2.0, da Sema, e como será a integração com o Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor), do IBAMA.

Todos os pontos apresentados pelos empresários do setor florestal durante as reuniões foram discutidos, esclarecidos e registrados pela equipe do CIPEM para encaminhamentos futuros.

O programa de capacitação em gestão florestal tem como principal objetivo levar informações qualificadas sobre o universo que envolve a atividade em Mato Grosso, proporcionando o aprimoramento da gestão florestal para o melhor atendimento das legislações em vigor, informa a assessoria.