Economia

Dia de definições para o setor madeireiro e Ibama em Sinop

Hoje será um dia decisivo para a continuidade das atividades das indústrias madeireiras no Nortão. Com a liberação das ATPFs (Autorização para Transporte de Produtos Florestais)que estava suspensa há cerca de 30 dias, quando foi deflagrada a Operação Curupira, os madeireiros dependem agora do trabalho dos servidores do Ibama.

Mas a categoria está em greve há cerca de duas semanas. Por força de lei, pelo menos 30% das atividades deverão ser mantidas. Para o Sindusmad (Sindicato das Indústrias Madeireiras do Norte de Mato Grosso), isto não vai amenizar em nada a situação caótica em que se encontra o setor. A estrutura da regional do Ibama de Sinop já era deficitária em número de funcionários e, com a greve, segundo o presidente do Sindusmad, Jaldes Langer, não haverá pessoa suficiente para “socorrer” o setor a tempo.

Além da liberação das ATPFs, os madeireiros necessitam com urgência de liberações em planos de manejo. “Isso depende de vistorias e não haverá recursos humanos para tanta demanda” explicou, ao Só Notícias. O quadro, segundo os madeireiros, é insustentável. Empresas que não estão parando, estão reduzindo drásticamente o número de funcionários e de produção.

O Ibama mantém ainda outras exigências para continuar liberado planos de manejo para as madeireiras fazerem extração de toras. Uma delas é expedição de certidão, por parte da Funai (Fundação Nacional do Índio) pra comprovar que as toras não sairão de áreas indígenas. A fundação demora, em média, 6 meses para expedir estas certidões.

Um relatório, apresentado por um banco, no último dia 24, demonstrava uma média de saques de 95 FGTSs (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) por dia, o que significa quase 100 pessoas desempregadas diariamente, buscando recursos. Não só do setor madeireiro, mas de todos os setores da economia que estão sendo afetados.

Preocupados também com os problemas sociais que estão surgindo, com inúmeras famílias desempregadas, os funcionários do Ibama de Sinop vão se reunir hoje, às 09:00h, para definir se continuam em greve ou voltam às atividades.

Segundo o analista ambiental Ubirajara dos Santos Pires, a preocupação dos funcionários não é só com a reposição salarial de 12%. “Também faz parte das nossas reivindicações uma revitalização do órgão, contratação de mais funcionários, para que possamos prestar um atendimento melhor. E nos preoucupa sim esta questão do desemprego, o problema social, mas esta situação não foi gerada por nós, começou com a Operação Curupira”, informou o servidor.

O Sindusmad, por sua vez, estará reunindo novamente seus associados hoje à noite, às 19:00h, no Sesi Clube. Os madeireiros vão analisar a retomada do atendimento no Ibama e os rumos que o setor deverá tomar. A unidade do Ibama de Sinop conta com cerca de 30 servidores e presta atendimento aos municípios de Sinop, Sorriso, União do Sul, Cláudia, Vera, Feliz Natal, Itaúba, entre outros, considerados como pólos na atividade madeireira.